Zilu Godoi registra passagem do furacão Ian nos EUA: "Noite de terror"

Zilu Godoi (Leo Franco/AgNews)
Zilu Godoi (Leo Franco/AgNews)

Zilu Godoi, que mora em Orlando, na Flórida, fez um desabafo em seus stories sobre a passagem do furação Ian. A empresário gravou uma série de vídeos de seu quarto durante a madrugada, explicando que não conseguiu dormir com o barulho e a ansiedade.

"Pensa em um sono ruim. Estou destruída, acabada, e a hora que eu começo a querer dormir, vem aquele vendaval, um barulho estrondoso nas portas, vidros, impossível. Noite de terror", lamentou ela.

"Todas as proteções da piscina foram para os ares, nunca tinha vivido isso. É de dar medo, uma coisa horrorosa. Por mais que você esteja protegido dentro de casa, o medo é muito grande. Dizem que vai ser mais forte durante a madrugada, mas não sei. Se Deus quiser, tudo vai dar certo", completou ela.

De acordo com a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências dos Estados Unidos, a previsão é que o dano seja catastrófico, com milhares de pessoas deslocadas para outros estados e abrigos improvisados.

Acidente ao vivo

O furacão Ian tocou o solo da Flórida, nos Estados Unidos, na quarta-feira (28). Na categoria 4 - de 6 -, o fenômeno tem total atenção da imprensa local e um repórter meteorologista quase foi levado pelos ventos de 98 km/h com rajadas de até 177km/h.

Jim Cantore, que é um conhecido profissional da meteorologia na TV dos Estados Unidos, foi atingido por um galho e empurrado pelos ventos enquanto fazia uma entrada ao vivo no The Weather Channel. Ele chegou a se segurar em um poste para se sentir um pouco mais seguro.

Conhecido no mercado como “caçador de tempestades”, Jim costuma se arriscar em coberturas de eventos extremos como este ou intensas nevascas. O profissional chegou a se tornar referência de problemas sérios para os espectadores.

A imprensa do país dedicou uma grande atenção à cobertura do furacão após órgãos oficiais declararem que o potencial de destruição do Ian é massivo. Na costa oeste do estado da Flórida, mais de 1 milhão de pessoas estão sem energia elétrica e esperam inundações.