Yuri Marçal diz como é viver gay favelado em '5X Comédia'

VITOR MORENO
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Yuri Marçal, 27, acostumou-se a ser cancelado. Dono de um canal de humor que não deixa de botar o dedo na ferida ao tratar de temas sensíveis como racismo, machismo e homofobia, ele diz que o limite para a piada é subjetivo, mas diz acreditar que, enquanto a plateia está rindo, é porque houve ponto de equilíbrio. É dentro dessa perspectiva que ela espera que seja recebido "5X Comédia", que estreia na Amazon Prime Video nesta sexta-feira (16). Com cinco episódios independentes, a série mostra diferentes formas de lidar com o isolamento social gerado pela pandemia de coronavírus. Em "Cinderela", episódio que ele protagoniza, Robinson é um rapaz gay que está dividindo toda a minúscula casa com uma família enorme na favela do Vidigal, no Rio de Janeiro. Ele é chamado para resolver um problema tecnológico na empresa em que trabalha, descobre que o espaço (altamente instagramável) está vazio, e então resolve se mudar para lá. "O meu episódio dá uma porradinha na questão periférica e até na racial", avalia Marçal, em entrevista à reportagem. "É uma casa de 30 ou 40 metros quadrados que tem umas oito pessoas. Acaba sendo uma crítica, sim. Tem milhões e milhões de casas na favela com dezenas de pessoas neste momento. É uma realidade que boa parte da população, para mim, não está ligada ou está ligada de uma forma muito superficial." Apesar de ser baseada na estrutura da peça homônima de Sylvia Gardenberg, as histórias da série foram escritas para retratarem este momento de isolamento social. Yuri Marçal diz que foi convidado pela diretora Monique Gardenberg, irmã de Sylvia e criadora da adaptação, e aceitou porque seria uma gravação remota. "Passei a pandemia bem trancado em casa com a minha namorada [Jeniffer Dias], a gente estava gravando um curta", lembra. "Eu fiquei meio receoso pensando em como seria fazer esse trabalho na pandemia, mas ela falou que todo mundo iria gravar de casa, que íamos contar essas histórias de acordo com a realidade que estamos vivendo e achei muito legal." Famoso pela comédia stand-up, Marçal diz que passou cerca de oito meses sem pisar num palco. Por outro lado, teve um crescimento exponencial nas redes sociais. "Eu produzi muito conteúdo durante a pandemia e teve esse lado positivo, mas eu preferia que isso ocorresse de outra forma, estar no teatro e com todo mundo sem as preocupações que a gente tem neste momento." Ele confessa, no entanto, que as gravações à distância foram bem mais difíceis do que imaginou. "Sendo bem honesto com você, foi muito complicado, cara", afirma. "Não digo isso para valorizar, mas o bastidor foi bem tenso mesmo. Tivemos que nos gravar sozinho, mandaram tudo higienizado e os atores tiveram que fazer um pouco do trabalho de todo mundo." "Eu entendo mais ou menos o funcionamento de um bastidor, mas ali era de fato posicionar a câmera, acertar o plano, gravar, trocar de locação, mudar a lente da câmera e por aí vai", enumera. Os diretores acompanhavam tudo por videoconferência. A maior preocupação dele foi com a maquiagem, principalmente na cena em que Robinson resolve se montar de drag queen. Para isso, ele teve ajuda da namorada, que acabou também virando sua ajudante oficial. "Ela ralou, acabou trabalhando bastante nessa situação toda, coitada", diz, aos risos. "A gente estava preocupado, cansado e tentando fazer a parada acontecer", resume. "Isso me deu uma nova musculatura como artista. O episódio ficou bem bonito, é muito legal ver o resultado depois de saber que foi suado, literalmente." Sobre o personagem, ele conta que se identificou com algumas facetas de Robinson, que sonha em virar influenciador. "Ele quer viralizar, quer o reconhecimento do trabalho e isso a gente passa a vida inteira", compara. "Você quer convencer o próximo de que você merece." Por outro lado, o personagem é gay, enquanto Yuri Marçal não. "Eu troco ideia para caramba com vários caras pretos que também são homossexuais", conta. "Tentei jogar isso da melhor forma possível no personagem para sair de uma forma muito honesta." "Eu não queria que as pessoas tivessem a sensação de que é um hétero fazendo um gay cheio de estereótipos, de que sou eu fazendo uma bichinha", afirma. "Ele dança, ele gosta de se montar de drag, ele gosta de colocar uma roupa e de se maquiar. E está tudo certo. Estou torcendo para o público falar 'tenho vários amigos assim', 'isso aí me lembra alguém' ou mesmo 'ele parece comigo'." "5X COMÉDIA" Quando Estreia 26/3 Onde Amazon Prime Video Classificação 16 anos Elenco Rafael Portugal, Samantha Schmütz, Yuri Marçal, Gregório Duvivier, Thati Lopes, Victor Lamoglia e Martha Nowill