Yasmin Brunet sofreu “Slut Shaming” da sogra; saiba o que é e os problemas dessa atitude

·5 min de leitura
Gabriel Medina e Yasmin Brunet (Foto: Reprodução/Instagram@yasminbrunet)
Gabriel Medina e Yasmin Brunet (Foto: Reprodução/Instagram@yasminbrunet)

A briga da família Medina ganhou um novo episódio, e esse é especialmente preocupante. A mãe de Gabriel Medina, Simone, anunciou na última semana que tinha um vídeo íntimo de Yasmin Brunet. Essa informação chegou a todos depois de um vazamento de uma conversa de Simone, em que ela descreve a posse do vídeo e tenta com isso desmoralizar a modelo. E essa atitude tem um nome, "slut shaming".

"Slut shaming" é a prática de criticar as pessoas, especialmente mulheres, que violam as expectativas de comportamento e aparência em relação a questões relacionadas à sexualidade. Para que fique mais claro o que significa isso? Precisamos compreender as questões que estão por trás dessas expectativas de comportamento — dentro do contexto de uma sociedade patriarcal. 

Leia também:

Sabemos que o sexo é uma atividade natural do ser humano, tanto de prazer quanto de reprodução, a questão é que o sexo é um tabu socialmente, quer dizer, na realidade só o homem tem o direito de exercer sua sexualidade sem ser julgado por isso. 

As mulheres são historicamente impedidas de exercer a sexualidade, são reprimidas, desde a regra que a menina e a mulher precisa estar de pernas fechadas, a proibição da exploração da sua própria sexualidade na masturbação. Enquanto o homem é liberado a explorar, ou seja, são diversas ideias absurdas e machistas de que a mulher deveria prezar por uma suposta pureza, virgindade, se guardar a poucos parceiros e deveriam “se dar ao respeito”. Essa frase é carregada de um significado e passada de geração em geração. A mulher só é respeitada se estiver respeitando as regras dos homens, se limitando para se encaixar nessas exigências e expectativas de comportamento, este é um dos vários efeitos do machismo nas mulheres.

Yasmin Brunet é uma mulher adulta, independentemente se ela é casada ou não, independentemente se ela for homossexual ou não, a vida sexual dela não interessa ao público e muito menos é motivo de vergonha. Simone Medina ao tentar utilizar esse vídeo, que ninguém sabe se ela realmente tem (e ao que tudo indica é uma cena da modelo na série "Verdade Secretas", da Globo), colabora para toda uma estrutura de opressão as mulheres. 

Machismo estrutural

Você deve estar se perguntando, mas a sogra pode ter sido machista? Nenhuma mulher é machista porque machista só pode ser aquele que faz parte da estrutura de opressão em relação às mulheres, que são os homens, mas as mulheres podem sim reproduzir machismo, e é o que Simone faz ao ter essa atitude.

Frases como: “Reclama que é assediada, mas sai na rua vestida de forma promíscua” ou “Mulher tem de se dar ao respeito” são ditas não só pelos homens, mas também pelas mulheres e exemplificam como todos nós estamos dentro de uma cultura machista e compartilhamos de certas ideias aprendidas e propagadas de como a mulher deve se portar. Mas que atualmente são cada vez mais questionadas porque estamos entendendo os problemas dessas frases e atitudes, esse é um mérito do movimento feminista que a décadas vem pautando essas questões, de Simone de Beauvoir, Angela Davis, Bell Hooks, Judith Butler, entre outras.

Homens se posicionem

Algo importante de ser dito, é entender que os homens precisam se posicionar ao ver essas situações acontecendo em seu círculo social, a mulher não pode ser julgada pela sua vida sexual ou por ser mulher, e se você vê um amigo reproduzindo essas frases e atitudes, chame atenção, converse, mas não fique em silêncio. É no diálogo e no debate que a gente consegue construir um mundo melhor, e é nossa responsabilidade enquanto homens acabar com essa opressão.

"Slut shaming" é uma das várias palavras que foram criadas e ganharam força nos últimos anos para nomear as opressões que as mulheres vivem, sejam as micro e macro agressões. É natural ficar confuso com as várias palavras, mas vou explicar algumas:

Mansplaining: Termo usado para descrever um homem que tenta explicar algo a uma mulher, assumindo que ela não entende sobre o assunto, subestimando a inteligência da mulher. Por exemplo: Um homem advogado explicar a uma mulher farmacêutica, como funciona um determinado remédio. Ele assume que sabe mais do que ela simplesmente por ser homem.

Manterrupting: É a atitude consiste em interromper a mulher diversas vezes, de forma com que ela não consiga concluir a própria frase. Já notou como os homens se escutam entre si, mas tendem a interromper as mulheres constantemente? Muitas vezes uma mulher não consegue completar uma frase sem ser interrompida, e isso é machismo.

Gaslighting: É uma forma de manipulação psicológica na qual o agressor faz a vítima questionar sua própria inteligência, memória ou sanidade. Por exemplo: um casal em que o homem tem atitudes incoerentes, onde ele te trata bem e logo em seguida te trata mal. A repetição desse jogo de “quente e frio” faz com que a vítima comece a se questionar se não é ela a culpada, se ela é realmente inteligente, se ela realmente está falando algo que aconteceu, e assim é manipulada por quem faz gaslighting.

Simone Medina ao tentar ofender a nora, em mais um episódio dessa briga de longa data do clã Medina, nos relembra o quanto ainda precisamos caminhar enquanto sociedade para que as palavras escritas por ela não tenham mais efeito e tampouco façam sentido. Yasmin Brunet respondeu a tudo isso brilhantemente ao explicar o problema da fala da sogra quando nos relembra que a sexualidade e o exercício do afeto é um direito de todas as pessoas, aprendamos com isso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos