Xuxa é processada por grupo gospel após compartilhar vídeo de sátira

Yahoo Vida e Estilo - Vale lembrar que quando voltou aos palcos, em 2014, Xuxa contou um time de 'Paquidrags' para o balé de dos
Xuxa está sendo processada por compartilhar um vídeo no Instagram (foto: reproduçaõ / instagram @xuxameneghel)

Resumo da Notícia:

  • Xuxa Meneghel foi processada após compartilhar um vídeo nas redes sociais de uma sátira

  • A gravação é uma releitura de uma música gospel que fala sobre 'meninos' e 'meninas'

Xuxa Meneghel está sendo processada pelo empresário de um grupo gospel formado por adolescentes. A ação começou após a apresentadora compartilhar uma sátira que usa um clipe do grupo em suas redes sociais.

Segundo informações publicadas pela colunista Fábia Oliveira, o processo foi movido pelo empresário Rony Nicolas, que representa o grupo de música gospel. No vídeo que Xuxa compartilhou, a influenciadora Liah reage ao clipe ‘Nosso Gênero vem de Deus’, do grupo R3.

Ela escolheu o trecho específico que a música diz: “O meu criador amado desenhou um corpo para mim / Sou menina, menina feminina / Sou menino, menino masculino / Não somos acidentes nem erros divergentes / Fomos feitos pelo criador”.

A criadora de conteúdo fez uma sátira da música incluindo pessoas transsexuais. “Sou travesti. O bondoso criador fez meninos e meninas, e criou a travesti, pra dar close nas esquinas”, cantou com a música de base.

A música também fala sobre “crianças que não nasceram no corpo errado” e se transformou em: “Já o meu tá alterado. Sou uma trans, uma trans bem feminina. Os gays também são gente”.

Os advogados do grupo pediram, em regime de urgência, que o vídeo seja retirado do perfil de Xuxa nas redes sociais, mas foi negado pela Justiça. Os representantes legais recorreram e novamente foram negados. “E para alcançar tal intuito, apesar de se tratarem de crianças/adolescentes, não foi poupada a imagem dos recorrentes (Trio R3), fato consumado mesmo inexistindo qualquer tipo de autorização para sua exploração”, afirma um trecho dos argumentos usados pelos advogados do grupo.

Eles ainda afirmaram que os jovens sofreram ataques nas redes sociais após a publicação da apresentadora, que tem mais de 11 milhões de seguidores só no Instagram. O processo tramita em Indaiatuba, em segredo de justiça.