Xuxa adere a campanha contra Jair Bolsonaro: "Somos 70 porcento"

Xuxa Meneghel. Foto: reprodução/Instagram/xuxamenegheloficial

Xuxa Meneghel aderiu à campanha “Somos 70 por cento”, que se opõe ao governo de Jair Bolsonaro. No último sábado (30), a apresentadora publicou um vídeo no Instagram com a hashtag do movimento disseminado nas redes sociais contra a gestão do atual presidente da República.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

O vídeo traz imagens de seu antigo programa na Globo, “Planeta Xuxa”. Era o ano de 1998, quando ela estava grávida de Sasha e a seleção brasileira estava na briga pelo pentacampeonato mundial de futebol. Por isso, a loura vestia casaco e calça amarelo e azul e exibia a bandeira do Brasil na barriga.

Leia também:

A campanha, disseminada nas redes sociais no fim de semana, foi criada pelo economista Eduardo Moreira, com base na última pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, que revela que a parcela da população crítica ao atual governo gira em torno de 70%. “O problema do Brasil é que os 70% se sentem como 30% e os 30% como 70%. É hora de agir com coragem”, escreveu ele no Twitter.

O economista detalhou ainda: “70% rejeitam aproximação ao Centrão (Datafolha); 70% acham Bolsonaro Péssimo/Ruim/Regular; 70% apoiam medidas de isolamento; Mais de 70% sabem que a terra é redonda #Somos70porcento.”

A publicação de Xuxa ganhou aplausos de Sasha e apoio de seus seguidores. “Quando não está coberta de monange está coberta de razão!”, comentou uma fã. “Saudades da época de usar verde e amarelo sem parecer um abobado, né, minha filha?”, brincou outra.

Numa live com a estilista Martha Medeiros na última sexta-feira (29), a apresentadora contou que tem aproveitado a quarentena para se informar sobre política.

“Não tenho nenhum partido. A gente não merece ser tratado como temos sido tratados. É difícil ver as pessoas morrendo, sendo tratadas como números... Em um momento de pandemia, ver essas fake news é péssimo. Tenho medo que isso acabe em guerra. Fico preocupada que as crianças sofram com violência, assim como mulheres e animais neste período em casa”, contou.