#Verificamos: É falso que Wisconsin tem mais votos do que eleitores registrados na eleição dos EUA

Agência Lupa
·2 minuto de leitura
É falso que Wisconsin tem mais votos do que eleitores registrados na eleição dos EUA - Foto: Aaron Kittredge/Pexels
É falso que Wisconsin tem mais votos do que eleitores registrados na eleição dos EUA - Foto: Aaron Kittredge/Pexels

por SAMUEL COSTA

Circula nas redes sociais uma publicação que afirma que o estado de Wisconsin, nos Estados Unidos, tem mais votos contabilizados do que eleitores registrados na disputa eleitoral deste ano. O texto sugere que a apuração teria sido fraudada em favor do candidato democrata Joseph Biden. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

É falso que Wisconsin tem mais votos do que eleitores registrados na eleição dos EUA - Foto: Reprodução
É falso que Wisconsin tem mais votos do que eleitores registrados na eleição dos EUA - Foto: Reprodução

“Inexplicavelmente [Wisconsin] tem mais votos computados do que eleitores registrados.”

Frase em publicação no Facebook que, até as 18h13 de 4 de novembro de 2020, tinha mais de 180 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. De acordo com informações disponíveis no site da Comissão Eleitoral de Wisconsin, há 3,684,726 eleitores ativos registrados no estado. Até as 18h11 desta quarta-feira (4), haviam sido computados 3.297.137 votos, correspondentes a 98% do total. Ou seja, ainda haveria cerca de 67 mil votos para serem aferidos – mesmo se for somada essa quantia, não se ultrapassaria o número de eleitores registrados em Wisconsin.

A Comissão Eleitoral de Wisconsin também se pronunciou no Twitter sobre o boato e afirmou que não há mais votos do que eleitores registrados. A imagem que ilustra o post cita que haveria 3.129.000 eleitores no estado, mas o dado está desatualizado.

Versões semelhantes do post foram desmentidas por Politifact e Lead Stories.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes