Walkyria Santos quer lutar por lei contra cyberbullying após morte do filho

Este texto tem alerta de gatilhos para pessoas sensíveis sobre suicídio, assédio digital, bullying e hate virtual.

Este texto também é, além de uma reportagem, um pedido que os comentários maldosos e motivados pelo ódio parem. Se a sua opinião não vai melhorar, acrescentar, ou facilitar a vida do outro, ela não importa. Não a faça. Não a escreva. Não a compartilhe. Pessoas não são iguais e não lidam e absorvem a opinião do outro da mesma forma. Se ainda assim você quiser fazê-la, se olhe no espelho e a diga para você e poupe o outro. Parem de destilar ódio nas redes sociais. Caso você seja vítima de bullying ou hate, ou precise conversar e se ouvido, não hesite e ligue 188.

Walkyria Santos voltou a falar sobre a morte do filho, Lucas, que tirou a própria vida após sofrer ataques homofóbicos no Tik Tok. A cantora afirmou que pretende lutar contra o crescimento dos ataques de ódio nas redes sociais, e quer promover a criação de uma lei anti-bullying com o nome do filho.

"Hoje está mais difícil que ontem. A gente não para de chorar, a dor não passa, não. Vou lutar atrás de uma lei. Uma lei que vai ter o nome do meu filho, do meu anjo", disse ela.

Leia também:

Walkyria também pediu apoio aos fãs para denunciar todas as contas fakes que estão surgindo com o nome de Lucas. "Se vocês puderem denunciar esses perfis que estão aparecendo. O povo não tem o que fazer, meu Deus. Aqui está muito difícil, a gente nem pode chorar".

Tragédia na família

Uma ferida eterna foi aberta na família da cantora de forró Walkyria Santos nesta terça-feira (3). O filho de 16 anos, Lucas Santos, foi encontrado morto na casa onde morava com a família em Natal, no Rio Grande do Norte, após uma série de ataques de cunho homofóbicos em um vídeo publicado no Tiktok.

"Hoje, dia 3 de agosto de 2021, eu perdi meu filho, uma dor que só quem sente vai entender. E isso é sobre o último post que eu havia feito, os comentários. Ele postou um vídeo no TikTok, uma brincadeira de adolescente com os amigos, e achou que as pessoas fossem achar engraçado, mas não acharam, como sempre as pessoas destilando ódio na internet”, começou o desabafo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos