Walkyria Santos agradece apoio após suicídio do filho: “Dor não passa”

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Diversidade
    Diversidade
Lucas Santos, filho de Walkyria Santos, morreu após sofrer ataques homofóbicos em um vídeo nas redes sociais (reprodução / instagram @walkyriasantosoficial)
Lucas Santos, filho de Walkyria Santos, morreu após sofrer ataques homofóbicos em um vídeo nas redes sociais (reprodução / instagram @walkyriasantosoficial)

Esse texto faz parte de uma série de reportagens e artigos que tratam sobre o tema suicídio. Não comente, não compartilhe e não escreva posts ou comentários motivados pelo ódio ou que induzam ao suicídio.

Caso você seja vítima de bullying, ataque de ódio ou tenha pensamentos suicidas, o Centro de Valorização da Vida (CVV) pode ajudar: ligue 188 ou dirija-se ao posto de atendimento mais próximo. Existem voluntários disponíveis 24 horas por dia e treinados para lhe atender com respeito, anonimato e sigilo. Mesmo que você não tenha certeza se precisa de ajuda e precise simplesmente conversar ou ser ouvido, não hesite em entrar em contato com o CVV também por chat ou e-mail.

Walkyria Santos fez uma live no início da tarde desta quarta-feira (4), para agradecer as mensagens de apoio e conforto que está recebendo desde o anúncio da morte de seu filho, Lucas Santos.

"Essa dor não passa. Tenho muita saudade dele. Mas tenho mais dois filhos para cuidar e vigiar", disse. "Estou desolada demais. Muito obrigada às mensagens, até de pessoas que não me conheciam, de mães, dos meus fãs queridos. Obrigada. Fiquem bem e vigiem", disse em lágrimas.

Leia também:

Vittor Melo, noivo de Walkyria, conta que ela não conseguiu ir ao sepultamento de Lucas. "Ela não teve forças para ir ao enterro. Os irmãos [Bruno, de 20 anos, e Maria Flor, de 10] ainda estão digerindo tudo o que está acontecendo", disse em entrevista para revista "Quem". 

O filho de 16 anos, Lucas Santos, foi encontrado morto na casa onde morava com a família em Natal, no Rio Grande do Norte, após uma série de ataques de cunho homofóbicos em um vídeo publicado no TikTok.

Walkyria Santos e o filho, Lucas (Foto: Reprodução/ Instagram)
Walkyria Santos e o filho, Lucas (Foto: Reprodução/ Instagram)

Entenda o Caso

Há alguns dias Lucas compartilhou um vídeo na rede social TikTok em que aparece como se fosse dar um beijo em um outro menino, que é seu primo. O conteúdo teve uma repercussão maior do que ele imaginou e com isso vieram os inúmeros comentários de ódio.

O próprio jovem havia feito um outro vídeo para tentar explicar e contextualizar o primeiro. “Provavelmente vai chegar na minha tia e vou tomar um ‘bufete’, e não quero tomar esse ‘bufete’. Avisando também que nós dois somos amigos e heterossexuais. Começamos a gravar uns vídeos juntos e tirando onda. Quando cheguei em casa fiz esse vídeo tirando onda, mandei para ele tirando onda, enviamos para os amigos tirando onda”, explicou.

Como tudo era uma brincadeira, ele publicou. “Pensei: ‘Por que não posto no Tiktok, ganho 500 visualizações e tiramos onda um com o outro?’. Só que acabou que 500 visualizações pularam para 1000, para 10 mil. O que veio na minha cabeça foi: Isso é muito bom, mas vou tomar uma chinelada, uma surra tão merecida... Mas é isso, somos apenas amigos, foi só uma brincadeira. Sempre deixei claro que éramos amigos e não sabia que ia dar essa repercussão toda”, disse.

Suas contas nas redes sociais foram bloqueadas pela família e os conteúdos deletados. No Tiktok, rede onde o vídeo foi originalmente publicado, ele tinha mais de 19 mil seguidores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos