Wagner Moura sofre ataques por comer quentinha com camarão em ocupação do MTST

·2 min de leitura
Wagner Moura come quentinha na ocupação do MTST. Foto: reprodução/Twitter/GuilhermeBoulos
Wagner Moura come quentinha na ocupação do MTST. Foto: reprodução/Twitter/GuilhermeBoulos

Resumo da notícia

  • Wagner Moura foi criticado por comer quentinha com camarão no MTST

  • Eduardo Bolsonaro usou foto de evento para debochar do "comunismo"

  • Guilherme Boulos respondeu, afirmando que bolsonarismo "vibra com a fome"

Wagner Moura virou um dos assuntos mais comentados do Twitter neste fim de semana pelo simples fato de ter comido uma quentinha em uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST) onde exibiu o filme "Marighella", dirigido por ele. No evento, foram servidos quitutes tipicamente baianos, como vatapá e acarajé.

A foto, publicada por Guilherme Boulos (PSOL), foi criticada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que atacaram o movimento e o "comunismo" porque o prato continha camarão, o que foi considerado inadmissível por muitas pessoas.

Leia também:

"A quentinha com camarão foi só para ele ou foi para toda a galera? Esse é o MTST de camarão do Leblon", ironizou um usuário da rede social. "Uns comem pastel e outros, quentinha gourmet. Esquerda camarão", disparou outro. "Completamente descolados da realidade", reclamou um terceiro.

Outros internautas, no entanto, rebateram os comentários preconceituosos. "O povo falando do camarão: parem de olhar só para seu umbigo e achar que sua realidade é a mesma no país inteiro. Em boa parte do nordeste o camarão seco e com casca é mais barato que outras carnes", alegou uma usuária da plataforma.

"Estou descobrindo pelos comentários que pobre não pode se mobilizar para fazer uma quentinha gostosa - em um evento, inclusive. Pelo jeito, se não estiver comendo farinha com água está errado", argumentou outro.

Boulos também comentou a discussão agressiva que a publicação gerou e refletiu: "Direitistas raivosos com a foto do Wagner Moura comendo acarajé no prato na ocupação do MTST mostra que o bolsonarismo vibra com a fome e, acima de tudo, desconhece a cultura brasileira".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos