De volta com disco de afrobeat, Bockarie pede uma Serra Leoa melhor

Por Cooper Inveen
·1 minuto de leitura
Músico Emmerson Bockarie em praia de Freetown
Músico Emmerson Bockarie em praia de Freetown

Por Cooper Inveen

FREETOWN (Reuters) - Músico e ativista de Serra Leoa, Emmerson Bockarie está acostumado a polêmicas, já tendo recebido ameaças de morte de todos os extremos do espectro político do país ao longo de duas décadas e três governos sucessivos.

Bockarie voltou à terra natal depois de uma estadia de quatro anos na Nigéria com um novo disco em meio à intensificação dos atritos políticos causados por acusações de corrupção, tribalismo e partidarismo entre os dois principais partidos políticos de Serra Leoa.

O álbum "9 Lives", lançado em agosto, abordou os mesmos males sociais que o tornaram um alvo tanto de apoiadores do partido governista quanto da sigla opositora.

Cantando no patoá local krio em uma canção chamada "Kokonat" (cabeça de coco), Bockarie diz: "Independentemente de quem esteja no poder, não haverá mudança porque eles sabem que tomamos uma decisão firme de sermos cegos políticos."

Sob um ritmo de afrobeat vibrante, Bockarie martela a mensagem de que, embora o poder possa mudar de mãos, as condições de vida continuarão as mesmas para os pobres enquanto os serra-leoninos insistirem em eleger autoridades corruptas e incompetentes.

"Estamos chorando há 59 anos", disse Bockarie à Reuters. "Merecemos algo melhor. O que quer que esteja acontecendo entre os partidos políticos, não é da nossa conta... tudo que estamos pedindo é uma Serra Leoa melhor."

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447753)) REUTERS AAJ