De volta ao cinema, Jane Campion diz que MeToo foi como fim do apartheid

·1 minuto de leitura
Cineasta Jane Campion posa para fotos durante Festival de Veneza

Por Silvia Aloisi

VENEZA, Itália (Reuters) - A aclamada diretora neozelandesa Jane Campion, que está de volta às telas após 12 anos, elogiou outras cineastas por uma série de prêmios importantes conquistados no ano passado, dizendo que o movimento MeToo foi como o "fim do apartheid" para as mulheres.

Campion, apresentando seu novo filme "The Power of The Dog" no Festival de Veneza nesta quinta-feira, apontou para as colegas Chloé Zhao --cujo filme "Nomadland" ganhou o maior prêmio em Veneza no ano passado e conquistou três Oscars-- e a vencedora do Cannes deste ano, Julia Ducournau.

"As garotas estão indo muito bem", disse Campion a repórteres, a primeira diretora mulher a receber a Palma de Ouro em Cannes por seu filme "O Piano", de 1993.

"Tudo o que posso dizer é que, desde que o movimento MeToo aconteceu, sinto uma mudança no clima. É como o muro de Berlim caindo ou o fim do apartheid para nós, mulheres."

Campion, de 67 anos, escolheu uma história de machismo e vingança ambientada em Montana em 1925 e baseada em um romance de Thomas Savage para seu primeiro filme desde "Brilho de uma Paixão", um drama biográfico de 2009 sobre o poeta John Keats, e após vários anos trabalhando em séries televisivas.

"The Power of The Dog", gravado inteiramente na Nova Zelândia, país natal de Campion, é estrelado por Benedict Cumberbatch como Phil Burbank, um cruel dono de um rancho que parte para atormentar Rose, a nova esposa de seu irmão, junto com seu filho estudioso.

(Por Hanna Rantala)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos