Vitamina D: como o isolamento social pode estar afetando a do seu filho

Ava Freitas
·2 minuto de leitura
Ficar em casa pode impactar o nível de vitamina D no organismo do seu filho (Foto: Getty Images)
Ficar em casa pode impactar o nível de vitamina D no organismo do seu filho (Foto: Getty Images)

O isolamento social está afetando não só a saúde emocional de crianças e adolescentes, mas também a física. Ficar mais tempo em casa pode estar impactando o nível de vitamina D no organismo do seu filho.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

“A vitamina D funciona um pouco diferente em crianças e adultos. No adulto, ela ajuda basicamente na calcificação óssea e no equilíbrio do sistema nervoso central. Na criança, além disso, tem influência na forma como acontecerá a ossificação, o que evita uma doença antiga conhecida como osteomalacia (enfraquecimento e desmineralização dos ossos)”, afirma Mario Kedhi Carra, médico-endocrinologista e presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Leia também

E qual a relação do isolamento social com a vitamina D? O ponto central é a falta ou a diminuição de exposição ao sol que vem com ele. Os raios solares têm papel fundamental na ocorrência da hidroxilação, processo químico que converte a vitamina D em D 3, ou colecalciferol, que é a forma como ela trará benefícios para o corpo.

Por que a vitamina D é importante?

Além da formação e da manutenção da saúde óssea, há pesquisas que relacionam a vitamina D com outros benefícios. “Existem vários estudos importantes que constataram outras funções como imunidade e prevenção de doenças como diabetes e asma”, afirma Louise Cominato, endocrinologista pediátrica presidente do Departamento de Endocrinologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

O que Louise tem visto nos consultórios é que, com a falta de aulas presenciais e de atividades extras, as crianças estão se expondo menos ao sol do que os adultos. Por isso, ela alerta que é importante que os pais assegurem que os filhos tomem de 10 a 15 minutos de sol todo os dias. “Pode ser em uma varanda ou em um quarto, com os vidros abertos, que bata mais sol. O importante é que seja sem filtro solar, até por isso, recomenda-se pouco tempo de exposição”, explica a médica.

Como detectar a diminuição

Para saber a quantas anda o nível de vitamina D do seu filho, só por meio de exames de sangue. Em geral, não há sintomas visíveis da diminuição da concentração da substância no corpo. Sendo constatada a deficiência, o tratamento é a suplementação via oral orientada por um médico. Portanto, nada de correr para a farmácia para se automedicar ou a seu filho.

Também não adianta buscar no Google quais os alimentos que têm vitamina D. “A alimentação tem pouca influência para aumentar os níveis da substância no corpo. Mas peixes, principalmente sardinha e atum, são os que têm maior concentração”, finaliza o endocrinologista Carra.