Vitória Strada sofre comentários homofóbicos em foto beijando Marcella Rica

·1 minuto de leitura
Vitória Strada e a noiva Marcella Rica. Foto: Reprodução/Instagram @vitoriastrada_
Vitória Strada e a noiva Marcella Rica. Foto: Reprodução/Instagram @vitoriastrada_

Resumo da notícia:

  • Vitória Strada publicou uma foto em que aparece beijando a noiva, Marcella Rica

  • A publicação agradou os fãs, mas também recebeu comentários homofóbicos

  • As artistas estão noivas desde o ano novo e o casamento ainda não tem data marcada

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As atrizes Vitória Strada, 24, e Marcella Rica, 29, serão capa da revista Glamour Brasil deste mês. A estrela de "Salve-se Quem Puder" (Globo) publicou uma foto tirada para a edição, em que está beijando sua noiva, e recebeu comentários homofóbicos, apesar de ter agradado fãs do casal. 

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Mês de recarregar as forças para continuar lutando pelo direito que todos temos de ser e de amar, seja como for. Porque o mundo fica mais feliz quando tem mais gente amando e existindo na sua verdade, e fica ainda mais bonito colorido", escreveu a atriz na legenda da publicação. 

Leia também:

"Pra que tanta exposição? Acho desnecessário", escreveu um internauta. "O que estão fazendo com o nosso mundo? Estão acabando com a instituição família", comentou outro. "Acho imprópria a foto! Nem é por questão sexual", disse um terceiro. 

As artistas estão noivas desde o ano novo e o casamento ainda não tem data marcada. Juntas desde 2019, na revista elas abordam temas como a vida sexual, preconceitos e as expectativas para a cerimônia de casamento. 

"Ninguém pensa em casar quando o sexo não é bom. Casamento é casamento. É encontrar encaixe em diversas áreas. Inclusive nessa", afirmou Rica. "O sexo é uma escuta, uma troca. As pessoas o veem como algo restrito ao órgão sexual masculino", completou Strada. 

Na entrevista, a ex-modelo também fala sobre sua bissexualidade. "Era a primeira vez que sentia algo por uma mulher, foi um processo interno até entender que realmente estava gostando dela", comenta. "A chave foi eu não me julgar ou questionar. A bissexualidade é muito natural para mim. Nunca foi tabu."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos