Viola Davis organiza assalto planejado por mulheres em 'As Viúvas', que chega aos cinemas

(Imagem: divulgação Fox)

Veronica, personagem de Viola Davis em ‘As Viúvas’, não está para brincadeira. Ela perdeu o marido (Liam Neeson), após um roubo comandado por ele acabar mal, e herdou uma dívida com gente poderosa da cidade de Chicago, alvo do assalto perpetrado pelo falecido esposo.

Ainda se habituando à ausência do parceiro e encontrando conforto apenas na companhia de sua cadelinha de estimação, que carrega por todos os lados, Veronica arma um plano ousado. Quer roubar de uma tradicional família de políticos a volumosa quantia que precisa entregar, e para isso recruta as outras viúvas da gangue de seu marido, Linda (Michelle Rodriguez, da franquia ‘Velozes e Furiosos’) e Alice (Elizabeth Debicki).

‘As Viúvas’ é a história destas mulheres tentando reconstruir suas vidas, num mundo corrupto onde só os mais fortes sobrevivem. O recado do filme é que, se necessário, elas também sabem jogar este jogo.

No roteiro, escrito pelo diretor Steve McQueen (de ‘Shame’ e ’12 Anos de Escravidão) e por Gillian Flynn (autora do best-seller ‘Garota Exemplar’), inspirado numa série de TV britânica exibida nos anos 80, o crime e as falhas de caráter contaminam todos os cenários, até mesmo as relações conjugais. O assalto planejado pela trupe da protagonista é só outro deles.

Há também um jogo sujo entre políticos, simbolizado pelo confronto entre dois candidatos a vereador, personagens de Colin Farrell e Brian Tyree Henry. Nenhum deles prova ser flor que se cheire, o que afasta a trama de qualquer falso moralismo.

Não há nenhum santo ou santa em ‘As Viúvas’, e isso é o que lhe torna complexo e interessante. Às vezes complexo até demais, já que o excesso de personagens e temas envolvidos resulta em arcos mais bem desenvolvidos do que outros, deixando no ar que os vários episódios de um seriado talvez fossem mesmo um formato mais adequado para material tão parrudo.

Como cinema, o longa tira proveito da habilidade de McQueen em criar sequências tensas, nos quais conflitos verbais podem ser tão violentos quanto os tiroteios e perseguições das cenas de ação.