Vida na prisão e escravidão inspiram artista sul-africano em exposição contemporânea

Artista sul-africano Blessing Ngobeni em exposição em Sandton

JOANESBURGO (Reuters) - O artista sul-africano Blessing Ngobeni pegou um pincel pela primeira vez durante um período de nove anos na prisão, desenhando companheiros prisioneiros e cartões de aniversário para "matar o tempo".

Este mês, o agora renomado artista de 35 anos apresentou seu trabalho na FNB Art Joburg da África do Sul, uma importante feira de arte contemporânea com artistas de todo o continente, retornando a todo vapor após uma pausa de dois anos devido à pandemia.

Na frente de telas surrealistas coloridas havia um conjunto pintado de poltronas e sofás antigos, inspirados por uma descoberta assustadora em 2016 de uma cadeira no Estado da Geórgia, nos Estados Unidos, supostamente estofada com cabelos de escravos negros.

"Era uma história com a qual eu precisava trabalhar e trazê-la à vida", disse Ngobeni à Reuters. "(Nas) coisas que possuímos, reside um segredo, reside DNA, reside memórias, reside a dor de outras pessoas."

(Reportagem de Taurai Maduna)

((Tradução Redação São Paulo, +55 11 5047-3075)) REUTERS FC TR