Vendas online crescem mais de 100% no Brasil com coronavírus, diz pesquisa

Getty Images

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Pesquisa revela que categorias de bens de consumo chegaram a ter crescimento de mais de 100% no comércio online, como saúde (111%).

  • Beleza e perfumaria e supermercados acumulam altas de 83% e 80%, respectivamente; apesar de resultados, setor vê futuro incerto em relação à confiança do consumidor.

Embora o movimento tenha sido sido puxado pela Semana do Consumidor, a expansão da pandemia do coronavírus também está impulsionando as vendas pela internet, de acordo com a Abcomm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico).

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Não à toa, é provável que, nos últimos dias, tenham se tornado mais comuns diversos anúncios de marcas e lojas 'pipocando' nas redes sociais com ofertas e descontos.

Leia também:

Segundo reportagem o jornal Agora S.Paulo, uma pesquisa da entidade revela que categorias de bens de consumo chegaram a ter crescimento de mais de 100% no comércio online, como saúde (111%). Beleza e perfumaria e supermercados acumulam altas de 83% e 80%, respectivamente.

Realizado pela Abcomm e pelo Movimento Compre&Confie, o levantamento compara vendas realizadas em fevereiro e março de 2020 com as do mesmo bimestre de 2019.

Por outro lado, as vendas de itens que normalmente apresentam bons resultados foram as que tiveram maior queda no período analisado: câmeras, filmadoras e drones (-62%), games (-37%), eletrônicos (-29%) e automotivo (-20%).

“Houve mudança significativa no comportamento do consumidor com a chegada da Covid-19. Setores de menor porte no e-commerce ganharam protagonismo. A tendência é que o cenário continue dessa forma, com consumidores cada vez mais engajados nas compras à distância", explicou André Dias, diretor executivo do Compre&Confie.

"A nossa primeira preocupação foi em relação à restrição de circulação de caminhões de entrega. Como os governos estadual e federal já garantiram que transportadoras e empresas de comércio eletrônico não podem ser afetadas pela quarentena, isso deu certa tranquilidade ao setor", afirmou Mauricio Salvador, presidente da Abcomm.

Mesmo assim, o cenário positivo não garante que o ânimo nas vendas se estenda indeterminadamente. Se a crise do coronavírus perdurar, estima o executivo, o setor também sentirá os impactos.

"Com a confiança do consumidor indo embora, a tendência é que as vendas vão parar de crescer, sobretudo em itens que não são de primeira necessidade", concluiu.