Venda de ingressos para turnê de Taylor Swift nos EUA é cancelada por "tráfego sem precedentes" em site

Cantora Taylor Swift no Festival de Cinema de Toronto

Por Lisa Richwine e Diane Bartz

LOS ANGELES/WASHINGTON (Reuters) - A Ticketmaster cancelou as vendas de ingressos na sexta-feira para a turnê da cantora Taylor Swift nos Estados Unidos, após fãs reclamarem sobre as quedas do site no início da semana e um senadora norte-americana levantar questões sobre o domínio da empresa em seu setor.

As pré-vendas de ingressos para a turnê Eras nos EUA --a primeira da artista em cinco anos-- abriram na terça-feira. Os fãs que correram para comprar no site da Ticketmaster encontraram longos tempos de espera e quedas, e muitos não conseguiram obter suas entradas.

A Ticketmaster disse no Twitter na tarde desta quinta-feira que estava cancelando as vendas públicas de ingressos na sexta-feira por conta de "demandas extraordinariamente altas em sistemas de ingressos e inventário insuficiente de ingressos remanescentes". Não ficou imediatamente claro se mais ingressos seriam vendidos.

Em uma carta à empresa proprietária da Ticketmaster, a Live Nation Entertainment, a senadora Amy Klobuchar, presidente do comitê antitruste do Senado norte-americano, expressou "grave preocupação com o estado da competição no setor de vendas de ingressos, e seu impacto prejudicial sobre os consumidores".

"O poder da Ticketmaster no mercado primário de ingressos a protege de pressões competitivas que tipicamente pressionam as empresas a inovar e melhorar seus serviços", acrescentou Klobuchar na carta, que tornou pública. "Isso pode resultar nos tipos de falhas dramáticas de serviços que presenciamos nesta semana, nas quais os consumidores são os que pagam o preço".

A Ticketmaster disse em nota nesta quinta-feira que havia antecipado a demanda pesada por ingressos, mas que o interesse extremo, combinado com ataques de bots, levou a um "tráfego sem precedentes no nosso site" e à inconveniência para alguns fãs.

(Reportagem de Lisa Richwine, em Los Angeles, e Diane Bartz, em Washington)