Vencedor do Oscar Paul Haggis condenado a pagar US$ 7,5 milhões em indenização por estupro em processo civil

Imagem de arquivo: O diretor Paul Haggis chega na Suprema Corte do Estado de Nova York para julgamento.

Por Jack Queen

(Reuters) - Um júri de Nova York considerou nesta quinta-feira o roteirista e diretor vencedor do Oscar Paul Haggis responsável por estuprar uma assessora em seu apartamento em Manhattan em 2013, e ordenou que ele pague pelo menos 7,5 milhões de dólares em indenizações no processo civil, disse um advogado.

O veredito veio após um julgamento civil de 15 dias no tribunal estadual de Manhattan. A demandante Haleigh Breest alegou em uma queixa em 2017 que Haggis, conhecido por escrever os filmes “Menina de Ouro” e “Crash - No Limite”, a estuprou depois de pressioná-la a se juntar a ele em seu loft no bairro do SoHo após a estreia de um filme.

Breest foi uma das quatro mulheres que acusaram publicamente Haggis de má conduta sexual em 2018. Haggis negou as acusações.

Os jurados retornarão ao tribunal na segunda-feira para avaliar as indenizações

“A justiça foi feita hoje”, disse o advogado de Breest, Ilann M. Maaze, por e-mail. “Estamos muito orgulhosos de Haleigh. Esta é uma grande vitória para ela e para todo o movimento #MeToo.”

A advogada de Haggis, Priya Chaudhry, disse que o julgamento não foi justo porque o juiz permitiu declarações de outras mulheres que acusaram Haggis, mas que nunca tomaram medidas contra ele.

"Eles usaram isso para distorcer a verdade, assassinar o personagem de Haggis, pintá-lo como um monstro e usar uma estratégia de 'onde há fumaça, há fogo'", disse Chaudhry em comunicado.

Em junho, Haggis foi preso pelas autoridades italianas e mantido sob custódia por mais de duas semanas sob a acusação de agressão sexual e lesão corporal agravada. Haggis negou as acusações.

(Reportagem de Jack Queen)