Veja quais paixões Maradona chegou a tatuar em seu corpo

Extra
·1 minuto de leitura

O ex-jogador de futebol Maradona apoiou, ao longo da vida, políticos de campos ideológicos distintos, do neoliberal Carlos Menem, que viria a se tornar presidente argentino, a Fidel Castro, líder cubano. No entanto, a sua afinidade pelas ideologias de esquerda foi o que ganhou destaque na imprensa e preencheu a pele de seu corpo, com tatuagens.

Em seu ombro direito, estava a figura do guerrilheiro argentino Che Guevara, que ajudou a instaurar um novo regime político – unipartidário e socialista – em Cuba, o qual dura até hoje. Ao ser questionado o motivo da escolha, teria respondido: “também sou um rebelde neste mundo”.

A outra tatuagem, na perna, foi feita em homenagem a Fidel Castro. O futebolista conheceu o líder cubano a quem chamava de "segundo pai" em Havana, entre os anos de 2001 e 2005, quando morou em Cuba para tratar de sua dependência química.

Em sua autobiografia Eu sou El Diego (2000), disse: "Tudo o que ele fez por mim não tem pagamento”.

A terceira tatuagem que se tem conhecimento foi feita nas costas, em homenagem à mãe do atleta, após o falecimento dela.

Acompanhada de um flor, estava a frase "Tota te amo", já que Tota era o apelido de Dalma Salvadora Franco, mãe de Diego.

Por fim, Maradona teria feito uma homenagem no peito à então companheira Rocío Oliva.