Usuários de aplicativos de paqueras sofrem com distúrbios alimentares, diz estudo

Usuários de aplicativos de encontros "têm maior probabilidade de sofrer distúrbios alimentares"

Por Sabrina Barr - The Independent

Pessoas que usam aplicativos de paquera têm maior probabilidade de sofrer com distúrbios alimentares, segundo um novo estudo.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, em Boston, Massachusetts (EUA), conduziram um estudo para determinar a potencial conexão entre aplicativos de encontros e a imagem que cada um tem do seu corpo.

Leia também

Para a pesquisa, publicada no ‘Jornal de Distúrbios Alimentares’, a equipe questionou 1.726 adultos sobre o uso de aplicativos de encontros e seus comportamentos de controle de peso.

De acordo com os resultados do estudo, as mulheres que usam esses aplicativos são 26,9 vezes mais propensas a adotar métodos de dieta extremas para tentar controlar o peso.

Enquanto isso, os pesquisadores descobriram que os homens que usam esses aplicativos são 14,6 vezes também mais propensos a tomar medidas pouco saudáveis para controlar o peso.

Dos entrevistados, 183 mulheres e 209 homens disseram ter usado aplicativos de encontro nos 30 dias anteriores à pesquisa.

Eles foram então questionados sobre seus comportamentos de controle de peso do ano passado.

Para os participantes que usaram os aplicativos, 44,8% das mulheres e 54,1% dos homens disseram ter jejuado em algum momento nos últimos 12 meses, como forma de controle de peso.

Mais de um quinto das mulheres e mais de um terço dos homens disseram ter vomitado para tentar reduzir o peso, enquanto 24% das mulheres e 41% dos homens disseram ter usado laxantes.

Dr. Alvin Tran, principal autor da pesquisa, acredita que o estudo é o "primeiro a explorar o uso de aplicativos de namoro em associação aos comportamentos de controle de peso não saudáveis".

"Ao comparar aqueles que não usam esses aplicativos com quem usa, descobrimos que os usuários desses aplicativos tinham chances significativamente maiores de entrar nos seis comportamentos de controle de peso não saudáveis ​​que investigamos", disse Tran.

A equipe não encontrou uma associação maior entre comportamentos pouco saudáveis ​​de controle de peso e orientação sexual.

Tran acrescentou ainda que, embora os pesquisadores não saibam se os participantes do estudo estavam fazendo dietas antes de usar aplicativos de encontro, eles "se preocupam que o uso desses serviços focados na imagem do seu corpo e na aparência possa contribuir para esses comportamentos".

"Com o tremendo crescimento no uso de aplicativos de encontros nos EUA, e um número crescente de estudos ligando seu uso a preocupações com imagem corporal e UWCBs, aumenta a necessidade de entender como esses aplicativos influenciam comportamentos e os resultados na saúde", disse o cientista.

De acordo com uma recente pesquisa do YouGov, encomendada pela instituição britânica de distúrbios alimentares, Beat, os estereótipos sobre quem sofre de transtornos alimentares estão impedindo as pessoas de receber o tratamento adequado.

O estudo descobriu que quase quatro em cada dez pessoas acreditam que os transtornos alimentares são mais comuns entre os brancos do que em outros grupos étnicos.