'Uma regressão impressionante', diz Gilberto Gil à imprensa britânica, sobre Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Gilberto Gil, 80, está em turnê pela Europa com a família e nesta sexta-feira (22), o jornal britânico "Guardian" publicou uma longa entrevista com o cantor e compositor, que fez duras críticas ao governo de Jair Bolsonaro. "A regressão a que fomos submetidos é impressionante. Mas o que esperar de uma pessoa que prefere abrir um clube de tiro a uma biblioteca?", declara Gil. "É uma visão de mundo retrógrada, reacionária, que não quer viver na agilidade do futuro e nos permanentes desafios que isso implica", completa.

Ele também falou sobre a sua atuação como Ministro da Cultura no governo Lula, entre 2003 e 2008, e analisou a política externa de Bolsonaro: "Uma enorme depreciação da imagem do Brasil para o mundo". Gil ainda acrescentou: "É como se estivéssemos nos descivilizando".

O cantor e compositor também citou o assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips no último mês. "Um crime bárbaro. Um crime contra dois importantes agentes na luta pela preservação de nossas riquezas naturais e pela viabilidade de um futuro de relações ambientais mais justas e equilibradas. Mas um sentimento de luto fortalece a luta".

A turnê We The People, formada por familiares do músico, segue para uma apresentação neste domingo (24) em Bruxelas, Bélgica. Depois, o grupo faz show em Liverpool no dia 27 de julho, em Londres em 20 de julho e no festival Womad, em 31 de julho. Os bastidores da turnê europeia estão sendo filmados e vão virar uma nova série na Amazon Prime Video.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos