"Um auto-retrato em músicas”: Paul McCartney explora suas composições

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Paul McCartney fala sobre novo livro em Londres
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Marie-Louise Gumuchian e Mike Davidson

LONDRES (Reuters) - Procurando inspiração no ônibus ou encontrando nomes de músicas em seus sonhos, Paul McCartney explora a sua vida em um novo livro que conta como ele escreveu algumas das música mais famosas do mundo.

Descrito como um “auto-retrato em 154 músicas”, “The Lyrics: 1956 to the Present” (“As Letras: de 1956 ao Presente”) passa pelas oito décadas de composições de Paul McCartney --como adolescente, membro dos Beatles, seu período com a banda de rock Wings e como um artista solo de sucesso.

Publicado esta semana, a obra é organizada alfabeticamente, com letras de músicas como “Hey Jude”, “A Hard Day’s Night” e “Penny Lane” acompanhadas pelas suas inspirações.

“Quando termino uma música, ela é liberada ao mundo, e eu não me preocupo com o que acontece com ela”, disse McCartney, na sexta-feira, em evento para discutir o livro.

"Eu aceito que nem todo mundo entenderá o significado que tinha para mim, eles vão colocar seus próprios significados e acho que você tem que aceitar isso."

Considerado um dos maiores compositores de todos os tempos, McCartney assinou sua primeira composição “I Lost My Little Girl” aos 14 anos, quando sua mãe morreu em 1956.

Anos depois, foi um sonho em que ela o confortava que inspirou o nome da música “Let it Be”.

“Ela era meio que uma santa... me dizendo simplesmente ‘vai ficar tudo bem, apenas deixe acontecer’”, disse McCartney.

(Reportagem de Marie-Louise Gumuchian e Mike Davidson)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos