Venda de ingressos é boa, mas UFC ainda precisa reforçar card de São Paulo

CHARLOTTE, NC - JANUARY 27: Ronaldo Souza of Brazil poses for a post fight portrait backstage during a UFC Fight Night event at Spectrum Center on January 27, 2018 in Charlotte, North Carolina. (Photo by Mike Roach/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

São Paulo é destino anual do UFC desde o retorno da organização ao Brasil em 2011. A moral da maior cidade do país, no entanto, não conta muito na hora da montagem do card de lutas.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

O UFC está programado para voltar ao Ginásio do Ibirapuera no dia 16 de novembro, e já são 10 lutas oficiais. Assim como em anos anteriores, o UFC São Paulo sofre com lutas de pouco apelo se comparado a eventos anteriores no país. Para novembro, o que se desenha, por enquanto, é um festival de lutadores que buscam retomar o caminho das vitórias.

Leia também:

A luta principal terá Ronaldo “Jacaré” Souza frente ao duríssimo polonês Jan Blachowicz. “Jacaré” é um nome popular no mundo das lutas, especialmente entre os praticante de jiu-jitsu, mas há tempos alterna boas vitórias com derrotas frustrantes. A mudança de ares com a subida para a categoria dos meio-pesados pode fazer bem ao faixa-preta, mas repousar a responsabilidade de principal atração da noite nos ombros de um lutador de quase 40 anos e próximo a amargar mais de 12 meses sem vitórias no momento que entrar no octógono não ajuda a organização.

Doze, aliás, é o número de brasileiros já confirmados para o evento. Oito deles, no entanto, vêm de derrota. Juntos, os 12 atletas amargaram 10 derrotas em 13 combates este ano. Mauricio “Shogun” Rua, o mais famoso dentre os que venceram em suas últimas aparições, atuou pela última vez em dezembro passado. Os outros três são Antônio Arroyo, Markus “Maluko” Perez e Warlley Alves, e apenas o último, vencedor de uma edição do TUF Brasil, tem tempo de casa suficiente para talvez atrair certa atenção do público.

É possível até criar uma narrativa que ajude a vender bem o card sem falar nenhuma mentira. Dizer que o UFC São Paulo contará com um ex-campeão que já foi considerado o melhor peso-por-peso do mundo, um ex-campeão do PRIDE e UFC, um ex-campeão do Strikeforce que tenta iniciar sua caça a Jon Jones, e um campeão do TUF Brasil e único lutador a finalizar Colby Covington, é verdadeiro. Isso até poderia convencer um fã casual a comprar um ingresso, mas não passa desapercebido entre aqueles que realmente acompanham o esporte de perto.

Apesar disso, a venda de ingressos é promissora. Segundo apurou o blog, quase 40% das entradas já se foram logo nos primeiros dias. Fato é que o UFC vai à cidade somente uma vez ao ano, e os fãs que estão acostumados a assistir às lutas pela TV não perderiam um evento ao vivo mesmo com um card abaixo da média.

O UFC aportou no Brasil pela última vez em maio, no Rio de Janeiro, mas seria injusto olhar para o card da Cidade Maravilhosa e esperar algo semelhante para São Paulo, uma vez que o evento de maio foi transmitido em pay-per-view em todo o mundo, tornando necessário um line-up com atrações de peso para garantir boas vendas.

O estrelado evento do Rio, aliás, terminou de forma dramática para o Brasil, com derrotas de Anderson Silva e José Aldo e um placar geral de 5x3 a favor dos estrangeiros. Jéssica “Bate Estaca” Andrade, que salvou aquela noite ao vencer a então campeã Rose Namajunas, já não ostenta mais o cinturão do UFC.

A ausência de um grande ginásio — ou até mesmo um estádio de futebol coberto — impossibilita a realização de um evento de pay-per-view em São Paulo, mas não deveria significar uma constante de cards diluídos.

É importante ressaltar que um card sem grandes atrações no papel não significa necessariamente uma noite de lutas ruim. O presidente do UFC, Dana White, costuma rebater críticas assim com a frase “não julgue um card antes de ele acontecer”, mas é difícil pedir que fãs desembolsem centenas de reais sem pré-julgar o produto oferecido.

Ainda há três ou quatro vagas em aberto para o UFC São Paulo, e a empresa pode — ou deve? — reforçar o card com alguns nomes de peso.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter |Flipboard |Facebook |Spotify |iTunes |Playerhunter