Sem passar pano, documentário mostra Karol Conká abandonada e revela traumas do passado

·3 minuto de leitura
Karol Conká em cenas do documentário (Foto: Reprodução/Globo)
Karol Conká em cenas do documentário (Foto: Reprodução/Globo)

O documentário 'A Vida Depois do Tombo', que mostra Karol Conká após a eliminação com o maior recorde de rejeição da história do 'BBB', estreou no Globoplay nesta quinta-feira (29). Em quatro episódios, o produto tem como objetivo contar a história da artista antes do programa e como ela lidou nos bastidores com a "tragédia", como diz, que foi sua participação no reality show de maior audiência do país. 

Assim que o projeto foi anunciado, internautas questionaram se não seria uma maneira de "passar pano" para os erros da artista. No 'BBB 21', Karol inventou mentiras sobre outros participantes, ridicularizou mulheres, usou questões indentitárias fora do contexto e humilhou Lucas Penteado em várias ocasiões. 

Leia também

Surpreendendo quem achava que as questões não seriam abordadas, o documentário mostra o desespero que Karol Conká sentiu assim que deixou a Globo. Com medo de ser linchada, a artista saiu pelas portas dos fundos do hotel e só voltou para São Paulo, onde mora, escoltada por seguranças. 

Os bastidores mostram conversas da rapper com sua equipe e familiares. Ela foi orientada antes da participação no 'Domingão do Faustão', brigou com o empresário por ter demitido funcionários antes de sua eliminação e se incomodou com a forma que lidaram com suas redes sociais durante a crise. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Parte do documentário foca em contar como Karol Conká se tornou uma artista respeitada no meio artístico, os ataques racistas recebidos desde a infância e o esforço para chegar onde chegou mesmo sem o apoio da família, que não acreditava ser possível fazer sucesso. 

Os prejuízos após o 'BBB' também foram mostrados. Algumas canções dela em parceria com outros artistas, inclusive, não foram autorizadas a serem tocadas no documentário. Brigas com famosos e polêmicas do passado foram citadas. Quase ninguém aceitou ser entrevistado. O filho dela, Jorge, sofre sem poder frequentar a escola.

Em algumas entrevistas, Karol Conká abriu o coração e falou sobre seus traumas. A morte do pai, que era alcoólatra, é um dos seus pontos fracos. A cantora tinha 14 anos quando ele morreu após respirar o próprio vômito. Ela tinha parado de falar com o pai achando que isso o faria parar de beber, mas de nada adiantou. O remorso de não ter se despedido antes da morte dele é como um fantasma que a persegue.

Dos participantes do 'BBB 21' convidados para o documentário, apenas Lumena Aleluia aceitou a proposta. A psicóloga pediu perdão por ter "pilhado" a cantora dentro da casa por vários momentos. As duas se abraçaram, assumiram os erros, lamentaram o que fizeram no 'BBB' e se acolheram.

Carla Diaz, Arcrebiano e Lucas Penteado não foram ao encontro da artista. Lucas, por sua vez, gravou um vídeo no qual afirma que ainda não está preparado para encontrar a cantora pessoalmente. Ele narra uma poesia e diz que Karol precisa pedir perdão a Deus. Diante de tantos convites negados, a rapper termina sozinha, cercada por telões que exibem cenas que protagonizou no reality.  

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos