"Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo" domina Oscar com sete estatuetas

Elenco de "Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo" no palco para receber Oscar de melhor filme, em Los Angeles, EUA

Por Lisa Richwine

LOS ANGELES (Reuters) - "Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo" ganhou o cobiçado prêmio de melhor filme no Oscar no domingo, com Hollywood homenageando uma história excêntrica sobre uma família sino-americana resolvendo seus problemas em múltiplas dimensões.

O filme conquistou sete estatuetas no total, incluindo três dos quatro prêmios de atuação para as estrelas Michelle Yeoh, Ke Huy Quan e Jamie Lee Curtis. Yeoh interpretou o papel principal de uma dona de lavanderia estressada que descobre que tem superpoderes em universos alternativos.

"Para todos os meninos e meninas que se parecem comigo assistindo esta noite, este é um farol de esperança e possibilidades", disse a atriz malaia de 60 anos no palco. "E senhoras, não deixe ninguém dizer que você já passou do seu auge."

"Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo" foi um vencedor improvável como um filme que se afastou da narrativa tradicional para contar uma história sobre uma família em desacordo. A aventura de kung fu é cheia de esquisitices, como pessoas com salsichas no lugar dos dedos e um chef com um guaxinim sob o chapéu.

Quan, uma estrela infantil que desistiu de atuar por duas décadas, ganhou o prêmio de melhor ator coadjuvante por sua interpretação do marido descontente de Yeoh em uma família lutando com uma auditoria fiscal que ameaça seus negócios.

O ator vietnamita beijou sua estatueta de ouro do Oscar enquanto a segurava no palco diante dos maiores nomes da indústria.

"Minha jornada começou em um barco", afirmou Quan. "Passei um ano em um campo de refugiados. De alguma forma acabei aqui no maior palco de Hollywood."

Quando menino, Quan estrelou em um filme da franquia "Indiana Jones" e em "Os Goonies". O ator de 51 anos disse que parou de atuar por anos porque viu poucas oportunidades para atores asiáticos na telona.

"Dizem que histórias como essa só acontecem no cinema", acrescentou. "Não acredito que está acontecendo comigo. Este é o sonho americano."

Curtis, que construiu uma carreira em filmes de terror como "Halloween", ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante por interpretar uma deselegante agente fiscal.

A atriz de 64 anos olhou para cima e se dirigiu a seus falecidos pais, os indicados ao Oscar Tony Curtis e Janet Leigh. "Acabei de ganhar um Oscar", disse ela, em lágrimas.

O astro de "A Baleia", Brendan Fraser, conhecido por papéis nos anos 1990 como "A Múmia" e "O Homem da Califórnia", ganhou o prêmio de melhor ator por interpretar um homem severamente obeso tentando se reconectar com a filha.

Um remake alemão de um épico da Primeira Guerra Mundial, "Nada de Novo no Front", foi eleito o melhor filme internacional. O filme da Netflix retrata os horrores da guerra através dos olhos de um jovem inicialmente ansioso para se juntar à luta. A obra ganhou quatro Oscars.

O diretor Edward Berger agradeceu ao jovem astro do filme, Felix Kammerer, que se juntou a ele no palco. "Este foi o seu primeiro filme e você nos carregou nos ombros como se não fosse nada", disse Berger.

"Navalny", que aborda o envenenamento quase mortal de Alexei Navalny, o líder da oposição mais proeminente da Rússia, e sua detenção desde o retorno a Moscou em 2021, ganhou o Oscar de melhor documentário.

(Reportagem de Lisa Richwine; Reportagem adicional de Danielle Broadway, Dawn Chmielewski e Nichola Groom)