Tragédia com Marília Mendonça deixa órfãos filhos de piloto e copiloto

·2 min de leitura
Pertences das vítimas do acidente de avião que matou Marília Mendonça nesta sexta (6) são retirados do local da queda. (Eduardo Moura/Folhapress)
Pertences das vítimas do acidente de avião que matou Marília Mendonça nesta sexta (6) são retirados do local da queda. (Eduardo Moura/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A tragédia com o avião que caiu no interior de Minas Gerais e deixou cinco vítimas, entre elas a cantora Marília Mendonça, enlutou famílias no Distrito Federal.

O piloto Geraldo Martins de Medeiros Júnior, de 56 anos, e o copiloto Tarciso Pessoa Viana, de 37, moravam na capital federal. Medeiros Júnior deixou três filhos. Já Viana tinha dois filhos e a mulher estava grávida de sete meses.

A aeronave caiu em uma serra em Piedade de Caratinga, a 309 quilômetros de Belo Horizonte, por volta de 15h de sexta-feira. A cantora tinha um show marcado em Caratinga, a cerca de dez quilômetros do local do acidente.

Familiares das vítimas fizeram homenagens nas redes sociais. "Estamos juntos sempre", escreveu Vitória Medeiros, filha do piloto. "Te amo para todo o sempre. Descansa em paz, pai", disse ainda.

Nagila do Vale, irmã do copiloto, postou fotos destacando a trajetória de Viana. "Como a empresa me deu a notícia: 'Nagila, seu irmão foi um herói, ele deu a vida, tentou de tudo. A prova está aí, a aeronave não se estraçalhou'. Orgulho do meu herói", escreveu.

Outra irmã do profissional, Nadia Viana, também publicou mensagens de desabafo nas redes sociais. "Ele foi um herói. Tentou de tudo para salvar todos", afirmou Nadia em uma publicação com fotos do irmão.

Rudson Carlos, sobrinho do copiloto, disse que o corpo de Viana foi liberado pelo IML, o Instituto Médico-Legal, e iria para Goiânia. Em seguida, será levado para Brasília. O enterro ocorrerá no domingo, no cemitério de Taguatinga.

"Ele tinha 12 anos de profissão e estava havia quase dois anos na empresa. Era um profissional muito experiente", disse Rudson.

Em nota, a empresa PEC Táxi Aéreo, dona da aeronave que caiu, lamentou as mortes e elogiou o trabalho do piloto e do copiloto.

"A tripulação engajada na operação tinha grande experiência de voo e também estava devidamente habilitada pela Anac [Agência Nacional de Aviação Civil], com todos os treinamentos atualizados", afirmou a empresa.

Conhecida como a rainha da sofrência e uma das maiores vozes da música brasileira contemporânea, Marília Mendonça morreu aos 26 anos. Ela deixou Leo, seu único filho, da união com o também cantor e compositor Murilo Huff.

Além da cantora, do piloto e do copiloto, também foram morreram o produtor Henrique Ribeiro e Abicieli Silveira Dias Filho, tio de Marília Mendonça.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos