Torcidas de futebol se unem em defesa da democracia e contra o fascismo

31 May 2020, Brazil, Sao Paulo: Demonstrators critical of the government wear stickers on their clothes with the inscription "Fora Bolsonaro" (Engl. Out with Bolsonaro). The number of Corona deaths in Brazil continues to rise rapidly. Brazil's right-wing populist President Bolsonaro considers the lung disease a "mild flu" and rejects protective measures. So far, 498,440 people have been proven to be infected in the largest state in South America. Photo: Andre Lucas/dpa (Photo by Andre Lucas/picture alliance via Getty Images)

Torcedores de Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos, rivais no futebol, se aglomeraram na Avenida Paulista em ato pela defesa da democracia e contra o fascismo, neste domingo (31).

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A manifestação, liderada por torcidas organizadas, se concentrou no vão livre do Masp e percorreu a avenida. Segundo a organização, o uso de máscara era obrigatório, mas alguns participantes descumpriram a norma.

Decreto do governo de São Paulo prevê multa e até detenção para quem circular em espaços públicos sem o item de proteção contra o coronavírus.

Leia também

Torcedores gritaram “Democracia! Democracia!” e “Doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano!”. Eles estenderam uma faixa com a frase “Somos pela Democracia”.

Em um momento do ato, manifestantes a favor e contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se encontraram e partiram para a agressão. Policiais contiveram a confusão com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

No Rio de Janeiro, onde torcedores do Flamengo protestaram pela democracia e contra o fascismo, também houve registros de brigas com apoiadores do governo.

No Twitter, deputados federais como Alessandro Molon (PSB-RJ) e Sâmia Bomfim (PSOL-SP) elogiaram as manifestações. O parlamentar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se posicionou contra e compartilhou um tweet de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, classificando o movimento “Antifa” (antifascista) como “terrorista”.