TikToker Ramon Vitor ganhou mais de 4 milhões de seguidores quando “desapegou de tudo”

Ramon Vitor ganhou mais de 4 milhões de seguidores no TikTok nos últimos meses (foto: Acervo Pessoal)
Ramon Vitor ganhou mais de 4 milhões de seguidores no TikTok nos últimos meses (foto: Acervo Pessoal)

Resumo da Notícia:

  • Ramon Vitor cria conteúdo em vídeo há mais de 10 anos

  • Aos 22 ele se mudou para Bahia e teve um boom no TikTok após dividir seu dia a dia

  • Ele compartilha com os seguidores desde a faxina até o trabalho em um quiosque do litoral

O TikTok é uma rede social com todo o tipo de conteúdo, mas o que engaja mesmo é a realidade. Cada vez mais criadores estão dispostos a mostrar o dia a dia sem firulas e foi assim que Ramon Vitor deslanchou na plataforma de vídeos.

Yahoo conversou com o criador de conteúdo e te conta um pouco da história do jovem de 22 anos que regista sua vida em vídeo desde os 11 anos quando morava em São Paulo. A carreira de Ramon começou com o Vine, extinto aplicativo e precursor de formatos de vídeos curtos que temos hoje.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Atualmente morando na Bahia e compartilhando um daily vlog com os seguidores da plataforma, ele ensina formas fáceis de fazer receita, mostra a faxina da casa que reformou e divide a rotina quando vai trabalhar como garçom em um quiosque.

Ramon contou como se libertou da vida de “ilusão” que tinha na cidade grande e aceitou a realidade. “As coisas me deixavam triste em São Paulo e conheci a felicidade na Bahia. A vida simples e aceitando minha realidade, sem muita expectativa, tenho uma qualidade de vida melhor. Lá duvidada de quem eu era”, explica.

História

Em 2011, quando começou a gravar situações do dia a dia após ganhar uma câmera, Vitor tomou gosto por editar o conteúdo. Com a chegada do antigo Musica.Ly no Brasil (o app foi comprado pela empresa ByteDance em 2017 e mudou o nome para TikTok), ele se especializou em transições e virou referência.

“Fui o segundo brasileiro a entrar no aplicativo. Eles não tinham escritório aqui no Brasil na época. Como o Vine já tinha morrido, o Musica.ly era minha salvação e gostava de criar conteúdo. Em 2015 já sabia que era isso que gostaria de fazer para o resto da vida”, conta.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Para se aprimorar cada vez mais na qualidade de seus vídeos, o influenciador já passou 8 horas gravando um único vídeo. Ele conciliou o período de crescimento na plataforma com os estudos. “Comecei a ser reconhecido na escola pelos alunos de classes mais jovens, que eram o que consumiam a plataforma. Foi assim que pararam de me zoar”, lembra.

Ramon conta que “abdicou de várias coisas na adolescência” para aprimorar as habilidades e focar em ser um criador de conteúdo, mas sem neura. “A minha foi focada em gravação. Já sabia que seria recompensado mais adiante”, avalia.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Após o fim do ensino médio, ele chegou a ganhar uma bolsa de estudos para cursar a faculdade nos Estados Unidos, mas não viajou por causa do pai. “Ele recebeu a carta de aceitação e não queria que eu saísse de casa, de longe dele. Foi uma coisa de relacionamento tóxico”, comenta. Com a recusa de viajar, ele entrou em uma faculdade no Brasil para cursar Publicidade e Propaganda, curso que foi trancado durante a pandemia de covid-19.

Família

Os pais de Ramon se separaram quando ele ainda era criança e, após todo o processo de guarda, ele morou com o pai. O período não foi com as melhores memórias. “Não era feliz morando com ele, em São Paulo. Ele era uma pessoa muito rígida e conservadora. Era complicado”, explica.

“Não me sentia pertencente e já duvidei muito do sentido da vida porque era muito triste. Me questionava se a vida era só ser triste e trabalhar”, acrescenra.

Em meados de 2020, ele viu sua vida mudar completamente em apenas uma semana. “Disse para o meu pai que estava saindo de casa, que era gay e que namorava um homem e ele parou de falar comigo por um tempo. Minha avó morreu na mesma semana, a mãe do meu pai. Foi bem f* pra ele. Fui ao enterro da minha avó, não falava com meu pai”, recorda.

Sexualidade

Criador de conteúdo há cerca de 10 anos, e bastante dedicado, Ramon se relacionou pouco fora das redes sociais e sempre teve mais amigos virtuais do que reais. Esse comportamento também foi replicado nos relacionamentos amorosos.

“Não me relacionava com ninguém, meu primeiro beijo foi aos 20 anos”, afirmou ao contar que conheceu o ex-namorado no TikTok. Foi com ele que Vitor foi morar quando saiu de casa. Ramon não se aprofundou no assunto, mas em seu perfil na rede social tem colabs com o escultor João Doce.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

São poucos os vídeos em que ele cita o rapaz, mas no Halloween de 2020 eles estavam juntos e a legenda do vídeo é um coração. “Alugamos um apartamento e saí da casa do meu pai”, reforça. Com as novidades do relacionamento e os problemas na vida familiar, Ramon começou a não manter a frequência que tinha nas publicações e decidiu parar de produzir vídeos. “Não aguentei”, recorda.

A pausa durou quase seis meses e neste tempo ele deixou de seguir todas as pessoas que acompanhava no Instagram. Até que ele e o namorado se mudaram de São Paulo para Bahia nos últimos meses de 2021 para que ele ficasse mais próximo da mãe, que mora no litoral sul do estado. “Sempre quis ficar mais perto da minha mãe e quando vi a oportunidade vim”, aponta. O namoro, no entanto, terminou em meados de março.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Recomeço

Com a nova vida também vieram novos desafios. “Um estado novo, tem que pagar contas e não tinha trabalho. Passei seis meses sem fogão e sete meses sem pia. Fazia almoço em um forninho elétrico”, recorda.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Mas nem todo desafio é um problema e ele viu na realidade difícil a oportunidade de voltar a produzir conteúdo com frequência. “Não podia mais ficar esperando ter uma pia ou uma cozinha boa, a casa perfeita, para começar a gravar. É uma outra realidade para quem já tinha todas as coisas e diferente de São Paulo, que para gravar um vídeo tinha que estar maquiado e arrumado”, relembra.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Livre de comparações com outros criadores e disposto a ser o mais real possível, desde janeiro ele “desapegou de tudo” e compartilha um daily vlog em seu perfil no TikTok. Atualmente ele grava tudo que faz durante o dia para montar vídeos.

Nos últimos seis meses, os vídeos reformando a casa, cozinhando com poucos ingredientes, fazendo faxina e cuidando dos pets renderam mais de 4 milhões de seguidores. “Quando parei tinha 500 mil em todo esse tempo criando conteúdo para a internet”, diz.

Para se manter, ele faz trabalhos pontuais em um quiosque da região. “Moro longe da cidade e vou nos dias de movimento. Lá eu monto os pratos e sou garçom", explica. Além do trabalho local, ele começou a ser notado novamente por marcas e já publicou a primeira campanha na nova época.