Tiago Leifert lembra final do "BBB21" após morte de Paulo Gustavo: "Dia horroroso"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O apresentador Tiago Leifert no
O apresentador Tiago Leifert no "Conversa com Bial". Foto: reprodução/TV Globo

Resumo da notícia

  • Tiago Leifert fez um balanço do "BBB21" em participação no "Conversa com Bial"

  • Apresentador lembrou como foi comandar a festa da final no dia da morte de Paulo Gustavo

  • Ele também opinou sobre episódios marcantes e trajetórias dos "vilões" da edição

Além da adrenalina típica de uma final, o último dia do "Big Brother Brasil 21" teve um peso extra para Tiago Leifert. Na noite da terça-feira (4), o apresentador teve que lidar com a comoção após a confirmação da morte do ator Paulo Gustavo, vítima de complicações da Covid-19.

"A gente sabia que a situação era muito crítica e a notícia sairia a qualquer momento. (...) Assim que a gente foi pro intervalo, o Boninho entrou no meu ponto e me perguntou e eu falei que ia dar a notícia a eles no intervalo", contou ele no "Conversa com o Bial" da última sexta-feira (7).

Leia também:

O apresentador se emocionou ao lembrar que o dia foi pesado também devido ao ataque a uma creche em Saudades (SC), que deixou cinco mortos. 

"A gente abre mão um pouco dos nossos sentimentos. A gente tem a função de entregar as pessoas 60 minutos de alegria. Era um dia horroroso. Quando eu vi as notícias de Santa Catarina, eu queria voltar para minha cama. Que dia horroroso para se fazer uma final. Era o pior dia para se fazer uma final", afirmou.

Na entrevista a Pedro Bial, Tiago também lembrou episódios marcantes da temporada, que ganharam forte repercussão além da disputa pelo prêmio de R$ 1,5 milhão. Um deles foi o comentário racista feito por Rodolffo, que ganhou resposta de João Luiz durante um jogo da discórdia e mereceu um discurso do jornalista no dia da eliminação do sertanejo.

"A partir do momento em que o João não conta para ninguém, ali eu comecei a ver que não era jogo. Se fosse, ele tinha espalhado para casa inteira. Quando chega no jogo da discórdia e ele faz aquilo, eu também não achei jogo. Aquilo veio do coração. E na hora que eu ouço a justificativa do Rodolffo, eu vi que ele não sabia o que tava acontecendo. No dia seguinte, eu fui almoçar com o Boninho e o Dourado e eu falei: 'Esse é um dos momentos em que eu acho que a gente tem que fazer alguma coisa'", afirmou.

Leifert diz que não será 'cancelador geral da República'

Segundo o apresentador, o paredão é uma espécie de "absolvição". "Se a intenção é que eu seja juiz do mundo, 'cancelador geral da República' e tire sangue, pode escolher outro apresentador. Vocês não vão mudar minha cabeça, não é porque vocês querem o sangue da pessoa que eu vou dar para vocês", disse.

Sobre Lucas Penteado, que desistiu do reality ainda no início da competição, depois de ter ser sido perseguido por boa parte dos confinados, Tiago analisou: "O Lucas tava se afogando e a casa não percebeu e empurrou ele mais. A gente viu que não ia dar".

Ele também opinou sobre as trajetórias de Karol Conká e Projota, considerados vilões da edição principalmente por suas posturas em relação a Lucas. "Eles reagiram de forma ruim. Acho que a Karol da pior forma possível. Acho que todo radicalismo é ruim. Eu acho que eles entraram achando que isso (a forma de jogo) daria uma boa impressão, que daria likes, que seria um exército aqui fora torcendo por eles, mas eles perderam a mão. Mas eu acho que foi bom para as outras gerações, para eles entenderem que precisa haver um caminho do meio", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos