Thelma, do "BBB20", soube que era adotada aos 15 anos: "Recebi um telefonema anônimo"

Thelma Assis, campeã do "BBB20". Foto: reprodução/Instagram/thelminha

Adotada aos três dias de vida, Thelma Assis, a campeã do “BBB20”, descobriu que não era filha biológica de Dona Yara somente aos 15 anos. A médica anestesiologista conta que sentiu o impacto da notícia, que veio de forma inusitada, mas já desconfiava da verdade.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

“Recebi um telefonema anônimo no orelhão da rua. Na hora, fiquei desconectada e ‘bugada’ por um tempo. Minha mãe sempre falava que eu tinha nascido do coração dela. Ela nunca mentiu, omitiu. E acreditava que eu só teria maturidade para entender tudo aos 18 anos”, contou ela em entrevista ao GShow.

Leia também:

Thelma explica que as duas conversaram sobre o assunto e o episódio não mudou a relação de mãe e filha. “Sempre acreditei que mãe é quem dá amor e quem cria! Nunca tive vontade de conhecer a minha família biológica ou de buscar questionamento sobre o passado. Virei essa página e não é uma situação que me dói. Estou bem resolvida com essa história”, afirmou.

Adotar, inclusive, é um desejo da médica, casada com o fotógrafo Denis Cord há quatro anos. “Já estou com 35 anos e chegando no limite, mas faço planos para ter meus bebês daqui a dois anos no máximo e vou entrar na fila da adoção também”, contou.

Pensando no futuro, ela também planeja fazer render o prêmio de R$ 1,5 milhão: “Vou investir de uma forma para que ele se multiplique e renda bons frutos. Não quero sair gastando agora. Planejo comprar um apartamento, mas será com calma e muita certeza”.

Aos poucos, Thelma pretende retomar a profissão. “A medicina é a minha vida e nunca vou deixar de trabalhar com a profissão que eu escolhi. Aos poucos, vou retomar ao meu trabalho. Foi uma surpresa feliz ver que mais de 5,5 milhões de pessoas me seguem nas redes sociais”, afirmou ela, feliz de se ver como inspiração para outras mulheres negras.

Em relação aos colegas de confinamento, a anestesista é só elogios a Babu, Rafa e Manu, e diz que as desavenças com Flay ficaram no passado. Mas conta que ficou magoada com alguns brothers. “Victor Hugo, Guilherme e Daniel me subestimaram e me rotularam. Não quero amizade porque não tolero esse tipo de julgamento. Ninguém tem o direito de mandar a outra pessoa desistir por acreditar que ela não tem chances”, disse.

Sobre Marcela e Gyzelly, de quem se aproximou no início do jogo, o sentimento é parecido. “Não enxerguei algumas atitudes delas na casa e me doeu saber de algumas conversas delas quando saí. Neste momento, só desejo muita sorte e que elas sejam felizes”, concluiu