Thelma Assis diz que racismo aumentou após BBB e que injúria racial é inadmissível

Thelma foi a campeã do 'BBB20'. Foto: Reprodução/Instagram (@thelminha)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A médica e ex-BBB Thelma Assis, 35, afirmou nesta quinta-feira (28) que tem sido mais vítima de racismo depois de participar do Big Brother Brasil 20. Ela comentou que ocorreram ofensas em todas as lives em que participou desde o final do programa. Na última, ela chegou a interromper a entrevista.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

"Acho que como qualquer mulher preta no Brasil é impossível não ter vivenciado um ato de racismo. Quando você entra em um reality show sabe que vai sofrer críticas, mas injúria racial é inadmissível", afirmou Thelma no programa Encontro, acrescentando que sofreu racismo até dentro do programa.

Leia também

A médica afirmou que essas ofensas acontecem com o intuito de rebaixá-la e desestabilizá-la, mas que ela não permite que isso aconteça. "A força faz parte da pessoa preta no nosso país, devido a muitas cicatrizes", completou ela, que classificou o racismo como algo já enraizado na sociedade brasileira.

Para Thelma, a luta exige que todos se tornem antirracistas. "Todos têm que denunciar, se posicionar, para que as próximas gerações não tenham que passar por situações tão primitivas, do século passado, retrasado. Não quero que meus primos passem por isso. Temos que ser antirracistas e denunciar."

Thelma, que é médica anestesista, fechou contrato com a Globo após deixar o BBB e ganhou um quadro na programa É de Casa. Ela também foi contratada pela marca L'Oréal Paris e protagoniza uma campanha da Prefeitura de São Paulo contra o novo coronavírus.