Teresa Cristina diz que lives são distração para "bobagens do 'Biroliro'"

Giselle de Almeida
·2 minuto de leitura
Teresa Cristina no "Conversa com Bial". Foto: reprodução/TV Globo
Teresa Cristina no "Conversa com Bial". Foto: reprodução/TV Globo

Rainha das lives na quarentena, Teresa Cristina falou sobre a motivação de suas apresentações diárias no Instagram. No “Conversa com Bial” da última sexta-feira (17), a cantora disse que era uma forma de compensar, com arte, as “bobagens que o ‘Biroliro’ falava”, referindo-se ao presidente da República, Jair Bolsonaro.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

“Para tanta coisa absurda, só a beleza que me distrai e tem a minha atenção. No início, as lives eram intercaladas, mas foi aumentando o número de mortes [por Covid-19] e o número de bobagens que o ‘Biroliro’ falava. A cada merda que ele falava, era uma live que eu fazia, e quando vi eu já estava fazendo todo dia, porque todo dia tem uma bobagem, uma coisa em que falamos ‘Não é possível, não pode ser’”, disse a Pedro Bial.

Leia também:

Em suas lives, Teresa já recebeu convidados ilustres como Caetano Veloso, Zeca Pagodinho, Marisa Monte e Alceu Valença. O clima, segundo ela, é o mais natural possível. “Eu não faço nenhum roteiro, apenas dou sugestões aos entrevistados e as coisas vão acontecendo em um ritmo que não fico tolindo ninguém. Eu tenho um negócio que é o seguinte: minha live, minhas regras. E a regra é não ter regra”, explicou.

A cantora lembra que os shows virtuais têm trazido alívio para muita gente durante o período de isolamento social. No dia da morte do menino Miguel, de 5 anos, que caiu de um prédio em Recife após ser deixado sozinho no elevador, ela chegou a pensar em adiar a apresentação. Até por isso a presença de Gilberto Gil a emocionou tanto.

“A presença do Gil foi como se eu tivesse recebendo um presente de um ancestral em uma noite em que a gente estava se recuperando de uma dor. Embora eu seja muito emotiva, eu não choro na frente da minha filha e nem da minha mãe, mas essas lágrimas que eu jogo de noite são lágrimas que vou guardando o dia inteiro, porque são muitos motivos para chorar”, contou.