Ter filhos depois dos 30 anos pode levar a uma vida mais longa

Segundo um novo estudo, mulheres que dão à luz após os 30 anos podem viver mais [Imagem: Getty]

Boas notícias para aquelas que estão atrasadas para a festa da maternidade: um novo estudo revelou que mulheres que têm filhos após os 30 anos podem viver mais do que suas colegas que foram mães mais jovens.

A pesquisa, conduzida por cientistas da Universidade de Coimbra, em Portugal, e publicada no Journal of Public Health, analisou as expectativas de vida de mães de países europeus que hoje têm 65 anos, e as comparou com a idade que tinham quando tiveram filhos.

O estudo revelou que mulheres que se tornaram mães mais tarde, tinham uma probabilidade maior de viver mais do que aquelas que deram à luz na adolescência ou quando estavam nos seus 20 anos.

“Conforme a idade da gestação aumenta, cresce também a expectativa de vida das mulheres aos 65 anos. Em outras palavras, quanto mais velhas as mulheres forem no parto, mais vivem,” revelam os autores do estudo.

“As mulheres que dão à luz mais tarde tendem a viver mais, e os genes que permitem a gravidez tardia beneficiam o tempo de vida da mulher”.

A pesquisa condiz com um estudo realizado, no ano passado, por pesquisadores da Escola de Medicina de San Diego da Universidade da Califórnia, que revelou que mães que tiveram seu primeiro filho depois dos 25 anos, tinham uma chance 11% maior de chegar aos 90 anos do que mulheres que deram à luz mais cedo.

O estudo, publicado no American Journal of Public Health, também revelou que mães com mais de 30 anos poderiam colher os benefícios de uma vida mais longa, com mulheres que deram à luz seu primeiro filho nesta idade apresentando uma probabilidade 10% maior de chegar aos 90 anos do que mães de primeira viagem com menos de 25 anos.

Os cientistas têm algumas teorias sobre por que as mulheres que têm filhos mais tarde podem viver mais. Uma delas é de que as mulheres que sobrevivem a uma gestação tardia, com seus potenciais riscos e complicações, podem ser mais saudáveis, de modo geral.

Outra sugestão é de que as mulheres que dão à luz mais tarde, vêm de contextos de vida mais confortáveis, e por isso teriam uma probabilidade maior de viver mais, de qualquer maneira.

Ter filhos mais tarde pode aumentar a sua expectativa de vida? [Imagem: Pexels]

No entanto, apesar dos potenciais benefícios de ter um filho mais tarde, alguns especialistas em fertilidade ainda estão alertando que aquelas que decidem adiar a chegada do bebê correm o risco de não conseguir engravidar.

No ano passado, um médico chegou a aconselhar que todas as mulheres que estejam chegando aos 35 anos, deveriam tomar medidas radicais para garantir que não seja tarde demais para engravidar.

O Dr. Luciano Nardo, ginecologista e diretor da clínica Reproductive Health Group, disse que TODAS as mulheres solteiras do Reino Unido deveriam congelar seus óvulos, antes de chegar aos 35 anos.

“Embora saibamos que o congelamento eletivo dos óvulos não garanta a gravidez, ele aumenta as chances de que uma mulher possa ter seu próprio filho biológico, num período mais avançado da vida,” explicou Dr. Luciano.

O especialista em fertilidade acredita que muitas mulheres que pretendem formar uma família mais tarde, não sabem que suas chances de engravidar naturalmente caem drasticamente após os 35 anos.

No momento a idade média das mães de primeira viagem no Reino Unido é de 30 anos, enquanto um em cada 25 nascimentos é de filhos de mães com mais de 40 anos.

Marie Claire Dorking