Tema de enredo no Carnaval 2023, Zeca Pagodinho tem pedido inusitado; saiba

*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 22.02.2020 - Cantor e compositor Zeca Pagodinho no camarim do camarote do Bar Brahma, durante o Carnaval de São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 22.02.2020 - Cantor e compositor Zeca Pagodinho no camarim do camarote do Bar Brahma, durante o Carnaval de São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

Confirmado como tema do enredo da Grande Rio para 2023, Zeca Pagodinho reuniu-se nesta quarta-feira (4) com a direção e os carnavalescos da escola, atual campeã do Carnaval carioca. O encontro foi para uma primeira troca de ideias, mas ele conta ao F5 que "nem se meteu" no que estava sendo falado.

"Fui só para ouvir as ideias deles. Não entendo de Carnaval, vai que falo alguma besteira e acaba prejudicando?", pergunta, tendo ao fundo a TV de casa, ligada em volume altíssimo. "É o programa do Eri Johnson, adoro ele. O cara é uma figura". Zeca lembra então que deu uma ideia para o desfile, sim.

Ele disse ao pessoal da Grande Rio que iria adorar se fizessem uma reverência à sua escola de coração. "Sou portelense, né?. Vai ser bem no ano do centenário, pedi para a gente dar um alô para a Portela...". Não precisou nem oficializar o pedido. Jayder Soares, presidente da tricolor de Duque de Caxias, já havia pensado nisso, garante Zeca.

A relação entre os dois é de muita proximidade. "Jayder é muito meu amigo, frequenta a minha casa, vou a tudo que é médico que ele me indicou", conta o sambista, que diz se sentir "em casa" também na Grande Rio. A escola é sediada no município de Duque de Caxias, onde ele mantém seu sítio há mais de 30 anos, no distrito de Xerém. O lugar virou ponto turístico e Zeca está totalmente conectado à comunidade local.

Homenagem

Não é de hoje que a escola pensa em homenageá-lo. A ideia surgiu há cerca de cinco anos, mas o músico sempre se mostrou reticente. "Eu não sabia que tinha essa importância toda, juro para você". A pandemia e o baixo astral do isolamento fizeram com que Zeca repensasse o convite, para felicidade geral dos fãs, amigos, e da família.

"Minha filha Duda (Maria Eduarda) falou que quer um carro só para ela, hahaha. Eu perguntei: 'Tá achando que é a Paolla?'" , conta, numa referência à rainha de bateria, Paolla Oliveira. Ela veio no chão, à frente dos ritmistas, mas com o protagonismo de um grande destaque, no mais alto dos carros.

Amigos não param de ligar para festejar ("E também para pedir para participar, vou precisar de dois dias de desfile para conseguir levar todo mundo"); a família está eufórica, mas Mônica Silva, com quem é casado há 36 anos, ainda não sabe se irá à Sapucaí. "Ela é evangélica, né? Não sei se vai. Mas está feliz com tudo isso", garante.

Fazem parte de sua lista de "vontades" (e não de pedidos, faz questão de frisar) a distribuição de cerveja para a plateia ("Não seria demais?") e uma alegoria gigante de São Jorge - o que já é certo. Oficialmente, a Grande Rio anunciou que a ideia da homenagem a Zeca partiu dos carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora, e que a escola vai reverenciar o universo musical de um artista cuja obra é "um olhar para os subúrbios, a 'velha Baixada', as festas de rua e a religiosidade popular".