Tapa de Will Smith: tribunal da internet não chega a veredito algum

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
HOLLYWOOD, CA - March 27, 2022.    Chris Rock and Will Smith onstage during the show  at the 94th Academy Awards at the Dolby Theatre at Ovation Hollywood on Sunday, March 27, 2022.  (Myung Chun / Los Angeles Times via Getty Images)
Chris Rock recebe tapa de Will Smith durante a cerimônia do Oscar 2022 (Foto: Myung Chun / Los Angeles Times via Getty Images)

Resumo da notícia:

  • Tapa de Will Smith em Chris Rock gera grande repercussão nas redes sociais

  • A discussão, no entanto, foi tomada pelo excesso e não trouxe reflexões inéditas

  • Como acontece às vezes, o tribunal da internet não chegou a veredicto algum

Como você já deve saber, Will Smith deu um tapa em Chris Rock durante a cerimônia do Oscar 2022. Imediatamente após a agressão, a internet se dividiu e passou a servir de palco para dois tipos de pontos de vista: os que apoiam a atitude do ator e os que condenam a reação dele. Quase 48 horas após o episódio, podemos dizer que, apesar da contribuição de quase todos os usuários, o tribunal da internet não chegou a consenso algum.

Will Smith recebeu elogios e críticas dos mais diversos. Do lado dos que não repudiaram o tapa de Will Smith, porém, um grupo se destacou na internet e parece ter agido de forma organizada: os humoristas. O primeiro deles foi Fabio Porchat. Durante a transmissão da cerimônia no Globoplay, ele entrou em confronto com Edu, do Diva Depressão, ao defender que o ator não tinha o direito de levantar do assento e bater em Chris Rock.

"A gente também não pode falar que o cara não tem o direito de defender a esposa dele. Ninguém está normalizando a violência aqui", disse Edu, destacando um posicionamento defendido por muitos nas redes sociais: a piada de Chris Rock sobre a cabeça raspada de Jada Pinkett, uma mulher que sofre de uma doença autoimune que provoca queda de cabelo, também foi um tipo de violência - a verbal.

A discussão entre Porchat e Edu foi bastante simbólica por colocar um posicionamento defendido nas redes contra os humoristas. Além de Porchat, humoristas brasileiros como Rafinha Bastos, Rafael Portugal, Maurício Meirelles e Antonio Tabet também se pronunciaram contra Will Smith. Todos eles condenaram a agressão.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

"Fazer piada com uma doença genética que atinge a autoestima feminina numa sociedade como a nossa pode ser deselegante, cruel e sem graça, mas a resposta nunca pode ser a violência. Não adianta fazer campanha pela paz num dia e dar tapa na cara para proteger a família no outro", disse Tabet.

Em resposta, claro, parte da internet passou a se posicionar contra... os humoristas brasileiros. Muitas pessoas lembraram que comediantes tupiniquins fizeram a carreira com estereótipos e diferentes tipos de preconceitos e, portanto, estariam agora receosos de uma reação violenta das pessoas que foram vítimas de piadas ofensivas.

Ou seja, o que era uma simples treta entre os milionários Will Smith e Chris Rock virou um gatilho para uma velha discussão: "afinal, qual seria o limite do humor?" Nesta segunda-feira (28), portanto, quem passou o olho pela timeline do Twitter, Facebook e até mesmo no Linkedin se sentiu pelo menos por alguns segundos um professor encarregado de corrigir provas de redação sobre um tema genérico e sem resposta definitiva.

Como não há consenso sobre o tema, a discussão sobre Will Smith se expandiu para terrenos ainda mais pantanosos. Há quem tenha se dedicado a defender que o astro merecia ter recebido o prêmio antes, mas não por trabalhos elogiados como "Ali" (2001), e sim por alguns dos seus trabalhos mais questionáveis, como o blockbuster "Eu sou a lenda" (2007). Questão de gosto pessoal, claro.

Sobre questões de gênero, os apontamentos, aí sim, foram mais inacreditáveis. Depois de anos de discussões sobre a desconstrução dos conceitos nocivos da masculinidade, alguns praticamente defenderam que a raça humana regrida em algumas décadas e volte a resolver as coisas na base da força. "Se o seu homem não te defende como Will Smith, temos más notícias", disseram alguns, fingindo conselho.

Ironicamente, os melhores comentários sobre o assunto não passaram de... piadas. "Imagine ver um cara com US$ 300 milhões batendo em um cara que vale US$ 100 milhões e pensar em outra coisa que não seja 'hahaha' ", disse um dos usuários no Twitter. A fala, ainda que vestida como meme, não atingiu um número tão grande de pessoas para virar consenso.

Com pitacos disparando para todos os lados, o que vimos nas últimas horas foi uma bagunça terrivelmente improdutiva. Jogando água fria nas discussões, Will Smith veio a público e se desculpou com Chris Rock. O assunto deve perder força a partir de agora, afinal, ninguém aguenta mais falar ou ler sobre isso. O excesso de opiniões nas nossas telas, mais uma vez, mostra como a internet enquanto fórum banaliza tópicos importantes. Entre uma discussão efêmera e outra da timeline, o posicionamento mais sábio pode ser não ter nada a dizer.

Duas informações essenciais:

*A liberdade de expressão é um direito fundamental reconhecido na Declaração Universal de Direitos Humanos.

**No Brasil, o Artigo Nº5 da Constituição Federal garante a liberdade de expressão a todos os indivíduos. Os incisos V e X, contudo, esclarecem que o direito de expressão não garante espaço para ofender, violar e infligir os direitos humanos ou propagar discursos de ódio.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos