Taiwan: como é a estratégia 'porco-espinho' criada pela ilha para se defender de possível invasão da China

Soldado de Taiwan
Exército de Taiwan realiza exercícios de forma periódica contra possível invasão chinesa

A China está realizando os maiores exercícios militares de sua história ao longo da costa de Taiwan, ilha que considera parte de seu território.

As manobras, que Pequim lançou em resposta à visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, à ilha, incluem disparos de mísseis no mar e incursões no espaço aéreo de Taiwan.

Há décadas, a tensão entre China e Taiwan vem crescendo, tanto que a possibilidade de uma invasão do poderoso Exército de Libertação Popular chinês é algo que poucos descartam.

Se a China invadisse Taiwan, seria desencadeada uma guerra assimétrica, ou seja, um conflito em que uma das partes tem uma força militar muito superior à do adversário.

É o tipo de guerra que estamos vendo entre a Rússia e a Ucrânia, e isso nos mostrou que o desequilíbrio de forças nem sempre é reproduzido nos resultados em campo.

Seria muito diferente no caso de uma invasão chinesa a Taiwan?

Defenda-se como um porco-espinho

A China — com uma população de 1,4 bilhão de habitantes, contra 24,5 milhões de Taiwan — tem um orçamento de defesa 13 vezes maior que a ilha vizinha, e também a supera amplamente em tropas, equipamentos e armas.

Tabela
Tabela

Consciente de sua desvantagem em uma guerra assimétrica, Taiwan adota a chamada "estratégia porco-espinho".

Quando se sente em perigo, o porco-espinho solta seus espinhos para deter predadores mais fortes.

"A dor de pisar nos espinhos do animal se torna o principal impedimento para esmagá-lo", explica um editorial do jornal Taipei Times.

E, se o predador ainda assim decide atacar o porco-espinho, sofrerá uma punição dolorosa e acabará desistindo.

Porco-espinho
Espinhos do porco-espinho produzem feridas dolorosas, por isso poucos animais se atrevem a atacá-lo

A estratégia de Taipei é baseada nesses pressupostos, e foi confirmada em sua Revisão Quadrienal de Defesa de 2021.

"Resistir ao inimigo na margem oposta, atacá-lo no mar, destruí-lo na zona costeira e aniquilá-lo na cabeça de ponte", é o que propõe esse manual.

Para enfrentar uma guerra assimétrica, Taiwan não considera prioritário adquirir caças e submarinos caros, mas sim implantar armas defensivas móveis e ocultas, como mísseis antiaéreos e antinavio.

Três camadas de espinhos para a China

Zeno Leoni, especialista em ordem internacional, defesa e relações entre China e Ocidente da Universidade King's College London, no Reino Unido, analisou as três camadas que compõem a estratégia porco-espinho taiwanesa.

"A camada externa é de inteligência e reconhecimento para garantir que as forças de defesa estejam totalmente preparadas", explicou ele em artigo sobre a doutrina de defesa de Taiwan para o site de notícias acadêmicas The Conversation.

Durante décadas, Taiwan desenvolveu um sofisticado sistema de alerta precoce para evitar o efeito surpresa de um possível ataque relâmpago da China.

Assim, Pequim "teria que iniciar qualquer invasão com uma ofensiva baseada em mísseis de médio alcance e ataques aéreos para eliminar as instalações de radar, pistas de pouso e as baterias de mísseis de Taiwan".

Navios e helicópteros militares chineses participam de manobras ao longo da costa de Taiwan
Navios e helicópteros militares chineses participam de manobras ao longo da costa de Taiwan

Para responder a um ataque desse tipo, a camada intermediária do porco-espinho consiste no destacamento de forças navais para uma guerra de guerrilha em pleno mar com o apoio de aeronaves de combate fornecidas pelos Estados Unidos, segundo o especialista.

Embarcações pequenas e ágeis armadas com mísseis e auxiliadas por helicópteros e lançadores de mísseis em terra tentariam impedir que a frota do Exército chinês chegasse ao território taiwanês.

Ou que, se conseguisse, pagaria um alto preço em perdas humanas e materiais.

"A geografia e a população são a espinha dorsal da terceira camada defensiva", explica Leoni.

O complexo terreno de Formosa, com montanhas escarpadas, poucas praias aptas para desembarque e grande parte de seu território urbanizado, daria vantagem aos defensores e poderia multiplicar as baixas do invasor.

Além disso, apesar do poderoso Exército chinês ser até 12 vezes mais numeroso em tropas do que o de Taiwan, o taiwanês conta com mais de 1,5 milhão de reservistas que entrariam em combate se as tropas chinesas tentassem invadir o país.

Armas móveis, versáteis e fáceis de ocultar ​​também seriam cruciais na terceira camada, como demonstrado na Ucrânia com os sistemas portáteis de mísseis Javelin e Stinger, que têm sido um pesadelo para os aviões e tanques russos.

Míssil Patriot
Taiwan também conta com sistema americano de mísseis Patriot, capaz de derrubar aviões e interceptar projéteis

O que os EUA fariam?

E, se a China decidir invadir Taiwan, os Estados Unidos entrariam na guerra? Enviariam tropas ou armamento? Tomariam outros tipos de medidas?

A verdade é que não sabemos, e os EUA não querem que a gente saiba.

Enquanto Taipei aperfeiçoa sua estratégia de porco-espinho, Washington se apega à chamada "ambiguidade estratégica" em suas relações com a China e Taiwan.

Isso significa que os Estados Unidos ocultam intencionalmente seus planos de ação no caso de a China invadir Taiwan.

"De alguma maneira, essa ambiguidade (...) nos permitiu manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan por várias décadas e em vários governos", declarou recentemente o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan.

Mapa
Mapa

Em maio, o presidente americano, Joe Biden, surpreendeu ao afirmar que seu país tem o "compromisso" de sair em defesa de Taiwan, embora posteriormente tenha retificado ao assegurar que não há mudanças na "ambiguidade estratégica".

Essa postura não apenas procura dissuadir a China de invadir Taiwan, como também dissuadir Taipei de proclamar sua independência (Pequim ameaçou atacar se fizerem isso) ao não garantir a intervenção dos EUA.

Alguns congressistas americanos pediram para mudar a postura do país para uma "clareza estratégica", no intuito de dissuadir a China à medida que o gigante asiático aumenta sua pressão sobre Taiwan e sua presença militar na região.

De qualquer forma, poucos acreditam que os EUA ficariam de braços cruzados diante de uma invasão.

"Você nunca diz ao seu oponente em potencial o que pretende fazer. Mas suspeito que qualquer coisa que seja implementada para dissuadir a China, em primeiro lugar, e para frustrar uma tentativa de dominar Taiwan, não seria apenas militar", explicou à BBC Chris Parry, analista de estratégia da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar ocidental.

"Seria algo multidimensional que incluiria abordagens comerciais, financeiras e informativas."

'Vivemos assim há 70 anos'

A demonstração de força militar da China está alterando a rotina em Taiwan, onde o clima é mais de indignação do que de pânico.

O transporte marítimo e as companhias aéreas sofreram grandes interrupções, com barcos atracados no porto e voos cancelados depois que Pequim restringiu o acesso a áreas ao redor da ilha para suas manobras.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62421629

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos