Choradeira na MTV: demissão de apresentadores e término de programas representam fim de uma era


Com muita choradeira, os apresentadores do "Acesso MTV", se despediram do público nesta quinta-feira (13.06). A tristeza de Titi Muller, Juliano Enrico e Pathy DeJeus, demitidos, representa o lamento de muitos fãs pelo fim de uma era.

Leia também:
MTV Brasil pode virar outro canal, diz jornal

Além de cancelar o programa, após quatro anos no ar, a MTV vai tirar da programação "A Hora do Chay", com Chay Suede (que atuou em "Rebelde", na Record), "MTV Sem Vergonha", com Didi Effe e Titi, e "PC na TV", com PC Siqueira. Os apresentadores não terão seus contratos renovados. Mais demissões à vista nas próximas semanas.

Na verdade, o grupo Abril, que detinha a marca no Brasil, está abrindo mão da MTV, mergulhada numa crise, assim como ocorre com filiais da emissora em outras partes do mundo. Algumas até fecharam as portas de vez.

Por aqui, a MTV - lançada em 20 de outubro de 1990 - será devolvida à Viacom Networks, que promete relançá-la em meados de setembro como um canal pago. Especula-se que a Abril (que promoveu uma série de demissões recentemente e anunciou o fechamento de revistas) vai colocar no lugar (em sinal aberto) um nova emissora, que funcionará em sua sede, em São Paulo.

A notícia é ruim. Triste mesmo. Mas vamos combinar que, embora ainda fosse uma vitrine para novos talentos (os mais recentes Marcelo Adnet, Dani Calabresa e Tatá Werneck, além de produtores, diretores e redatores) pinçados por emissoras de maior audiência, a MTV há tempos não é referência como quis evidenciar Pathy em seu discurso de despedida.

A emissora vinha pouco a pouco perdendo sua identidade musical (até pela perda de força do videoclipe) e testando outros projetos. Embora, no início deste ano, tenha sido anunciada uma volta às origens numa tentativa de reaproximação com o público musical.

Programas de humor e formatos mais próximos do público ávido por redes sociais e conteúdos online ganharam espaço nos últimos anos. Inclusive, com apresentadores revelados primeiramente na Internet. MariMoon é um dos exemplos.

A MTV que fez história ficou no passado. Essa história vai ficar na memória de fãs e na trajetória de apresentadores reconhecidos e aproveitados em outros projetos, fora de lá. Fernanda Lima, Márcio Garcia e Zeca Camargo são exemplos bem-sucedidos (mas quem nunca ouviu sobre a sina de apresentadores que saíam da MTV e não se davam bem em outro lugar?).

Bons tempos do "Disk MTV", "MTV Erótica", "Top 20", "Lado B", "Jornal da MTV", "Barraco MTV"... Um marco ainda maior nas carreiras dos pioneiros Astrid Fontenelle, Cuca Lazarotto, Gastão Moreira, Luiz Thunderbird e o próprio Zeca Camargo.

Além, claro, de nomes como Marina Person, Penélope Nova, Soninha Francine, Sabrina Parlatore, Cazé Peçanha, Babi Xavier, Chris Couto, João Gordo, Sarah Oliveira, Didi Wagner, Chris Nicklas, Fábio Massari e Edgard Piccoli, entre outros. Assim como a MTV os marcou (e também a esse pessoal que sai agora, nessa leva de demissões), eles marcaram época para diferentes gerações... Nada dura para sempre!

Siga-me no Twitter: @gustavobaena
Curta a FanPage da coluna no Facebook: sobcontroleblog

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos