Suzana Pires traduz quarentena dos solteiros: "Temos que transar"

Apesar da rotina agitada com as lives do instituto Dona de Si, a atriz e empresária Suzana Pires também tem sentido o impacto do isolamento social provocado pela pandemia do coronavírus. “Estou realmente com as emoções à flor da pele. Sempre fui assim. Eu nunca fui dada a ser blasé", afirma ela.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

E o que ela tem feito para tentar lidar com tantas oscilações de humor diante da pandemia e dos desdobramentos políticos no Brasil? Passar roupa e masturbação são algumas das atividades de conexão consiga mesma, conta a atriz.

Veja também


"Passava a roupa assim tirando o vinco das coisas, sabe. Porque era uma maneira de eu controlar aquilo ali. E depois isso foi passando. E hoje eu não preciso mais ficar passando roupa pra tentar dar conta de uma coisa que eu não dou mais. Então, o que eu acho é que a gente não tá dando conta mais do que vai acontecer. A gente tá em guerra com a morte. Não é uma guerra mais econômica, nada disso. É uma guerra com a morte mesmo. E o coração é que tá na frente agora. Mudou tudo, mudou isso. E aí, esse novo normal vai ser o impacto disso", desabafa Suzana.

Mano, pelo amor de Deus! Temos que transar. A frase é essa

“A masturbação é uma das coisas mais lindas que o ser humano pode fazer por si mesmo", diz a atriz, que pede menos hipocrisia da sociedade em relação ao sexo.