Suspeito de matar músico no Arpoador continuou trabalhando normalmente após o crime em barraca de cachorro-quente

·5 minuto de leitura

Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) prenderam no fim de semana um dos suspeitos de participação na morte do publicitário, empresário e músico Sérgio José Coutinho Stamile, no Parque Garota de Ipanema, no Arpoador, Zona Sul do Rio. Pablo Francisco da Silva seria, segundo as investigações, um morador de rua que vive na região onde ocorreu o crime. Outro homem, Flavio Lima de Mello, que teria aplicado o golpe fatal na vítima, estava foragido até a noite de domingo.

Pablo era conhecido por trabalhadores do Arpoador. Dois funcionários de um quiosque contaram que, apesar de dormir na rua, ele trabalhava em uma barraca de cachorro-quente no local e aparentava ser uma pessoa pacífica. Já um ambulante da região diz que ele, mesmo trabalhando, praticava alguns furtos e andava com usuários de crack. Flavio também é conhecido na região, mas, segundo relatos, não aparece por ali tem tempo.

— Pablo é um cara muito pacífico e gentil, brinca com todo mundo. Não dá para acreditar que foi ele que matou esse rapaz. Mesmo depois do crime, ele continuou trabalhando normalmente — contou um funcionário de um quiosque na região, que pediu para não ser identificado.

Um ambulante, que aluga itens de praia para banhistas e também pediu anonimato, conta que presenciou Pablo realizar furtos no calçadão:

— Ele até trabalhava, mas andava com os usuários de crack e fazia pequenos furtos. Todo mundo que trabalha aqui pela praia o conhece.

Câmeras ajudaram na identificação

Os dois suspeitos da morte de Sérgio José foram identificados com ajuda de imagens de uma câmera monitoramento instalada no Posto 7, na orla, perto do Garota de Ipanema. O equipamento flagrou o músico entrando no parque na madrugada do último dia 10 e discutindo com os homens, que teriam sufocado Sérgio José, namorado da atriz Carla Daniel. A dupla, em seguida, teria roubado a carteira e o celular da vítima e fugido. O corpo dele, que era conhecido como Pirata do Arpoador e tinha 41 anos, foi encontrado no início da manhã daquele dia por policiais do 23º BPM (Leblon).

De acordo com o delegado assistente da Homicídios, Cassiano Conte, Sérgio entrou no parque à 1h34. Sete minutos depois, ele discutiu com Pablo e Flavio. Os dois, moradores de rua que costumam dormir na região, teriam feito uma brincadeira com o músico, que não gostou da provocação e respondeu de forma ríspida. Ele entrou em uma gruta do local, e logo depois os dois homens o acompanharam.

À 1h46, o vídeo mostra Flavio entrando na gruta. Dois minutos depois, é a vez de Pablo. À 1h54, os dois aparecem abaixados, momento em que estariam roubando a carteira e o celular de Sérgio. Em seguida, de acordo com as investigações, eles saem do local com os pertences da vítima.

Pablo, de 20 anos, foi preso na noite de sábado, na Avenida Francisco Bhering, em Ipanema, e disse que Flavio, de 29, deu um mata-leão em Sérgio. Contra Pablo, há uma anotação criminal por roubo. A juíza Angélica dos Santos Costa, do plantão judicial do último sábado, dia 28, expediu mandados de prisão temporária contra os dois.

Sérgio teria sido deixado em casa por Carla Daniel por volta das 22h30 do dia 9, na Rua Bulhões de Carvalho, em Copacabana. Ele não chegou a entrar no apartamento e teria ido direto para as proximidades do Parque, a 1,2km e seis minutos a pé, onde costumava meditar com frequência. Ele teria seguido em direção à praia e, cerca de três horas depois, entrado no Garota de Ipanema. Embora os portões do espaço sejam abertos às 6h e fechados às 17h, diariamente, grades quebradas permitem o livre acesso dos frequentadores em qualquer horário.

Agentes do Grupo de Local de Crime (Gelc) da DHC realizaram uma perícia no cadáver ainda no Arpoador. O corpo apresentava lesões como se tivesse sido arrastado e estava perto de uma pedra com altura aproximada de três metros. Aquela região é um ponto de consumo de drogas e de prostituição, sobretudo durante as madrugadas. Levado ao Instituto Médico-Legal (IML), ele foi identificado através de perícia papiloscópica.

Inicialmente, o laudo da necropsia indicou a causa da morte do músico como indeterminada. Ainda estão sendo feitos exames complementares no sangue da vítima para definir o que provocou ou contribuiu para o óbito.

Neste domingo, após a notícia da prisão de Pablo da Silva, a atriz, cantora e produtora Carla Daniel, que namorava Sérgio José, escreveu em suas redes sociais: “Que a justiça seja feita”, compartilhando o link da reportagem do jornal O Globo.

Também no domingo, agentes da Marcha pela Cidadania e Ordem, do governo estadual, estiveram no Parque Garota de Ipanema à procura de moradores de rua.

Desde a morte do músico, Carla vem se manifestando sobre o relacionamento dos dois, iniciado em 2020. “Meu grande amor me deixou hoje. Estou com o coração partido”, escreveu ela, que é filha do diretor da Globo Daniel Filho, no dia em que o corpo do namorado foi localizado.

Na noite do crime, a cantora deixou Sérgio na porta da casa dele, em Copacabana. Mas ele não entrou e foi para o parque.

Ontem, Valentina Seabra, sobrinha de Sérgio também fez uma publicação nas redes sociais: “Que a Justiça seja feita em nome do meu tio e de outras vítimas que poderiam ter sofrido isso no Parque Garota de Ipanema”, escreveu ela. No post, ela marca o prefeito Eduardo Paes e diz estar “cansada dessa falta de segurança e da desigualdade nessa cidade e nesse país”.

Abalados, parentes de Sérgio não quiseram dar entrevistas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos