'Stranger Things': o que aconteceu com Hopper nesta temporada?

(Imagem: divulgação Netflix)

A terceira temporada de ‘Stranger Things’, disponível desde a última quinta-feira na Netflix, é uma jornada frenética embalada por sucessos dos anos 80 e um visual banhado em luzes coloridas. No meio dessa mistura, o detetive Jim Hopper (David Harbour) é a personificação da montanha-russa emocional que é assistir aos novos episódios.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Seu personagem vai do oito ao oitenta, ora forçando a barra para tentar melar o romance entre Eleven (Millie Bobby Brown) e Will (Finn Wolfhard), ora sendo o herói disposto a tudo para salvar a cidade de Hawkins da mais nova ameaça proveniente do mundo invertido.

Leia também:

O bigodão e a camisa florida que ostenta em boa parte desta temporada fazem clara referência ao Magnum vivido por Tom Selleck na popular série dos anos 80. O estilo herói durão e politicamente incorreto dividiu opiniões no mundo extremamente polarizado que vivemos hoje em dia, e seu desfecho deixou muita gente com o coração na mão. Analisamos tudo isso abaixo.

Alerta de spoilers: a partir de agora, o texto traz detalhes sobre o que acontece na terceira temporada de ‘Stranger Things’. Não leia se quiser evitar saber.

Comportamento tóxico?

Nos primeiros episódios desta temporada, Hopper está um tanto quanto perturbado. Ele não sabe lidar com o romance da filha adotiva, Eleven, e ainda tenta encontrar uma forma de se aproximar romanticamente de Joyce (Winona Ryder). As cenas em que grita com o pobre Will e faz escândalo bêbado num restaurante após levar um bolo são exemplos de que o detetive está com os nervos em combustão.

A atriz Evan Rachel Wood (de ‘Westworld’) foi ao Twitter mostrar seu incômodo ao assistir a estes momentos: “Vocês nunca devem sair com um cara como o policial de ‘Stranger Things’. Ser extremamente ciumento e violento não são falhas sexy como a TV faz você acreditar”, escreveu.

“Eu sei que é uma série e que se passa nos anos 80, mesmo assim é inaceitável, o que é exatamente meu ponto. É uma série e um gentil lembrete para não cair nessa droga na vida real”, completou. O crítico Ben Travers, do site Indiewire, foi outro que viu nas atitudes de Hopper “uma forma de reforçar padrões sexistas”.

(Imagem: divulgação Netflix)

Destino incerto

Porém, o que chocou mesmo os fãs de ‘Stranger Things’ foram os momentos finais do último episódio, quando Hopper aparentemente sacrifica a própria vida para se desintegrar junto com o laboratório russo que conduzia perigosas experiências usando o Mundo Invertido.

A primeira impressão é que o personagem morreu, já que a notícia chega a ser dada num jornal local, que resume os acontecimentos. Porém, a cena pós-créditos em que soldados soviéticos dizem “não o americano” na hora de escolher quem vai ser oferecido como comida do Demogorgon deixa no ar que talvez o detetive ainda esteja vivo.

Em entrevistas publicadas durante o último final de semana, o ator David Harbour disse não saber se voltará ou não na próxima temporada. “Não faço ideia! Eu não faço ideia!”, declarou ao programa Entertainment Tonight. “Essa é minha esperança também. Mas parece algo bem louco”, desconversou.

A redenção

Morto ou não, Hopper já teve seu momento de redenção na série. Quando Eleven encontra a carta com um discurso que ele ensaiou, mas não chegou a falar para ela, é difícil não se emocionar.

No texto, o personagem descreve como a relação com a filha adotiva trouxe felicidade de volta à sua vida, e confessa ter medo dos dois estarem se afastando. Até que percebe que as mudanças e o crescimento são inevitáveis e, além disso, bastante necessários.

"Continue crescendo. Não me deixe impedir. Cometa erros, aprenda com eles. Quando a vida te machucar, porque vai acontecer, lembre da dor. A dor é boa. Significa que você está fora da caverna. Mas, por favor, se você não se importar, em nome do seu velho pai, mantenha a porta aberta oito centímetros", são suas últimas palavras na série. Ou não?