STF pode determinar busca e apreensão de vídeo no Planalto

Reunião ministerial no dia 22 de abril que tratou de trocas na PF (Foto: Marcos Corrêa/ PR)

Termina no fim desta sexta-feira (8) o prazo para que o governo federal entregue ao Supremo Tribunal Federal o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, citado pelo ex-ministro Sérgio Moro em seu depoimento à Polícia Federal no sábado (2), como prova da tentativa de interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Caso a Advocacia-Geral da União (AGU) não entregue o material, o STF pode determinar busca e apreensão pela Polícia Federal no Palácio do Planalto, se preciso, com a apreensão de computadores, pen drives e fitas de vídeo.

Leia também

Dois pedidos da AGU tentam suspender a entrega da gravação ou enviar à Corte um vídeo editado. O argumento é que o encontro tratou de “assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de Relações Exteriores”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

As motivações do governo para evitar a divulgação do vídeo são várias e incluem uma fala do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Depois de comentar medidas tomadas pelo STF que desagradaram o governo, o ministro disse que a Corte era composta por 11 “filhos da puta”.

DEPOIMENTOS

Já estão marcados também os depoimentos das testemunhas do processo.

Os ministros general Heleno (Segurança Institucional), Luiz Eduardo Ramos (Governo) e Braga Netto (Casa Civil) devem prestar esclarecimentos neste fim de semana.

Já a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) tem que comparecer na próxima quarta-feira (13), na Polícia Federal, em Brasília, para esclarecer a respeito das mensagens divulgadas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, quando ela pede a ele que fique no governo supostamente em troca de uma vaga como ministro do STF.

Zambelli adiantou que “não tem nada a esconder”. “Está claro para todos que minha intenção sempre foi buscar a pacificação de qualquer conflito e que, em momento algum, tentei oferecer um cargo ao ex-ministro, até porque não tenho qualquer prerrogativa para fazê-lo”.


Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.