Steven Spielberg tem grande noite no retorno do Globo de Ouro

Steven Spielberg conquistou na noite de terça-feira (10) as principais honras, incluindo o prêmio de melhor filme de drama, na cerimônia de entrega do Globo de Ouro, por seu filme "Os Fabelmans", enquanto astros de Hollywood compareceram em peso à primeira grande premiação do ano, apesar da série de escândalos envolvendo seus organizadores.

O outro grande prêmio na categoria filmes, o de melhor comédia ou musical, foi para "Os Banshees de Inisherin". Essa tragicomédia sobre uma amizade rompida em uma ilha irlandesa remota terminou a noite com o maior número de prêmios de cinema.

Spielberg, que também levou para casa o prêmio de melhor diretor, agradeceu à sua família, incluindo sua falecida mãe.

"Os Fabelmans" aborda o casamento conturbado dos pais de Spielberg, o bullying antissemita e os primeiros esforços do diretor para produzir filmes com orçamento zero com seus amigos adolescentes.

"Todo mundo me vê como uma história de sucesso, e todos veem todos nós da forma como nos percebem com base em como obtêm as informações", disse o cineasta, de 76 anos.

"Mas ninguém realmente sabe quem somos até termos coragem suficiente de dizer a todos quem somos", acrescentou.

Spielberg destacou que filmes como "E.T. - O extraterrestre" e "Contatos Imediatos de Terceiro Grau" usaram elementos de sua vida real, mas que ele nunca havia tido coragem de enfrentar essa história até agora.

Apesar de ter se saído mal nas bilheterias, o filme venceu os dois maiores sucessos comerciais do ano passado — o filme de ficção científica de James Cameron "Avatar: o Caminho da Água" e "Top Gun: Maverick" — na disputa pelo último prêmio da noite.

"Inisherin" também rendeu a Colin Farrell o prêmio de melhor ator de comédia, aumentando sua expectativa para o Oscar, e ao roteirista e diretor Martin McDonagh, o de melhor roteiro.

O blockbuster indiano repleto de ação "RRR - Revolta, rebelião, revolução", que se tornou um grande sucesso no boca a boca em Hollywood, ganhou impulso na temporada de premiações ao vencer na categoria de melhor canção original.

Já "Pinóquio", de Guillermo del Toro, ganhou como melhor animação, e "Argentina, 1985", como melhor filme estrangeiro.

Eddie Murphy recebeu um prêmio pelo conjunto da obra, enquanto Angela Bassett foi escolhida melhor atriz coadjuvante de filme, pelo blockbuster da Marvel "Pantera Negra: Wakanda para Sempre".

Na categoria TV, "A Casa do Dragão" ganhou como melhor série de drama, e "Abbott Elementary", como melhor série de comédia.

- "Tentar de novo" -

Austin Butler, calçando os sapatos de camurça azul de Elvis Presley para "Elvis", ganhou o prêmio de melhor ator de drama.

"Você era um ícone e um rebelde, e eu te amo muito", declarou Butler ao cantor lendário, em um discurso emocionado, no qual elogiou a família de Presley por seu apoio.

Michelle Yeoh ganhou o prêmio de melhor atriz de comédia por "Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo". Seu colega de elenco Ke Huy Quan recebeu o prêmio de melhor ator coadjuvante.

Quan alcançou a fama ainda adolescente em "Indiana Jones e o Templo da Perdição" quase quatro décadas atrás.

Aos 51 anos e com um Globo de Ouro nas mãos, ele desabou diante do público ao admitir que começava a temer que "nunca superasse o que havia conquistado quando criança".

"Felizmente, mais de 30 anos depois, dois caras pensaram em mim. Eles se lembraram daquele cara e me deram a chance de tentar de novo", disse ele, referindo-se aos diretores Daniel Scheinert e Daniel Kwan.

- Ausentes -

Todos os olhos estavam voltados para as estrelas presentes e, como não poderia deixar de ser, muitos dos grandes nomes compareceram, incluindo Rihanna e Brad Pitt.

Cate Blanchett, que ganhou o prêmio de melhor atriz de drama por "Tár", não compareceu à cerimônia. Outros vencedores que não estavam presentes foram Kevin Costner ("Yellowstone"), Zendaya ("Euphoria") e Amanda Seyfried ("The Dropout").

A gala, que tradicionalmente marcava o início da temporada de premiações do cinema, perdeu o brilho habitual nos últimos dois anos, devido à pandemia, às revelações sobre a falta de diversidade e às supostas falhas éticas de seus organizadores.

A rede NBC, que no ano passado não transmitiu a cerimônia ao saber que a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA) não tinha integrantes negros, exibiu a 80ª edição do Globo de Ouro após uma reestruturação na organização.

O comediante Jerrod Carmichael, o apresentador da noite, agitou o evento com um monólogo zombando da HFPA.

"Vou lhe dizer por que estou aqui. Estou aqui porque sou negro", disse ele.

"Não vou dizer que é uma organização racista (...) mas eles não tinham um único membro negro até a morte de George Floyd", afirmou, referindo-se à morte desse afro-americano por um policial branco em Minneapolis, que gerou uma onda de protestos contra a injustiça racial nos Estados Unidos.

amz/sst/lb/jc/tt