Spike Lee presidirá júri do festival de Cannes

·1 minuto de leitura
O diretor de cinema americano Spike Lee, em 9 de fevereiro de 2020 em Hollywood

O diretor americano Spike Lee presidirá o júri do Festival de Cinema de Cannes de 2021, tornando-se a primeira personalidade negra a assumir esse papel, confirmaram os organizadores nesta terça-feira.

Lee ocuparia a presidência do júri em 2020, mas a pandemia forçou o cancelamento da competição de cinema.

Este ano, o festival, que costuma acontecer em maio, foi adiado pelo mesmo motivo e está programado para acontecer de 6 a 17 de julho.

O americano é "um dos maiores diretores de sua geração", disse um comunicado oficial. "Há 30 anos, o incansável Spike Lee traduz com precisão as questões de sua época de uma forma resolutamente contemporânea que nunca deixa o entretenimetno de lado", diz a nota.

Se as condições sanitárias permitirem, o Festival de Cannes será o primeiro grande festival do ano a ser realizado presencialmente, já que a maioria dos concursos migrou para formatos híbridos ou online, como o Sundance e Berlinale.

Artistas negros americnaos - como a cineasta Ava DuVernay em 2018 e o ator Will Smith em 2017 - já foram membros do júri do Cnnaes, mas esta é a primeira vez que um negro é presidente.

Sendo assim, os sinais de que a sétima arte começa a dar mais espaço para a diversidade racial estão se multiplicando, como também evidenciado nas indicações ao Oscar de nove atores "não brancos", anunciadas na segunda-feira.

Junto ao seu júri, cuja composição será revelada em junho, Spike Lee enfrentará a difícil tarefa de buscar um sucessor para "Parasita", do sul-coreano Bong Joon-ho, Palma de Ouro 2019 e grande vencedor dos Oscar 2020.

Lee vai substituir o diretor mexicano Alejandro González Iñárritu, presidente do júri em 2019.

app/tjc/mr/aa