SPFW tem passarelas invadidas pelo Brasil real que vive nos bares e botequins

·4 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 14.01.2021 - Os estilistas Welder Silveiro e Walério Araújo durante evento em São Paulo. (Foto: Félix Lima/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 14.01.2021 - Os estilistas Welder Silveiro e Walério Araújo durante evento em São Paulo. (Foto: Félix Lima/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nem só de elucubrações sobre a moda pós-pandêmica é feita esta São Paulo Fashion Week. O brilho da festa, o contato físico e a montação pop que pareciam esquecidos em meio às notas sobre o desânimo voltaram ao centro da passarela nos últimos dois dias.

Weider Silveiro poderia afiar a agulha para costurar a languidez helênica exibida em sua última temporada, que, aliás, funcionaria melhor na passarela física do que na virtual passada, mas trocou a fita K7 e mergulhou em acordes de guitarra para emular uma versão do punk.

Um punk adocicado, vale dizer, um tanto baseado no filme "As Patricinhas de Beverly Hills", com muito rosa, branco e minissaias combinadas à alfaiataria que é a cara da virada dos anos 1990 para os 2000, um molho que tomou as ruas nessa virada de chave pós-isolamento.

O estilista investiu numa festa contida, ainda que nada entediante. Mesmo os florais, parte quase irrelevante no conjunto proposto, não ofuscavam a boa ideia de vincular sua tesoura técnica a uma corrente de cortes menos rígidos.

Logo depois, nos últimos closes da noite de quinta-feira (18), o pernambucano Walério Araújo promoveu um verdadeiro expurgo da monotonia dos pijamas pandêmicos.

A performance de estrelas da noite, da drag Halessia ao DJ Johnny Luxo, ícone da noite clubber paulistana, homenagearam o estroboscópio ilustrado nesta Ilustrada, especificamente na coluna "Noite Ilustrada", da ex-colunista Erika Palomino.

O fervor hedonista que transitava em suas páginas borrifou estruturas espelhadas, make pesada e muita pele aparente como uma fotografia analógica daquele tempo de sons e vocabulários próprios.

A ideia era uma "volta por cima", como se lia na parte de trás de uma jaqueta de couro, de todo o marasmo e especulação imobiliária que varre os miolos convulsivos de São Paulo, como a rua Augusta e as ruelas da região central.

Mas a grande festa foi reservada para a tarde desta sexta-feira (19), quando a Misci estreou na passarela física com uma coleção que coroou a estética notívaga fora do eixo Rio-São Paulo.

O desfile Fuxico Lanches conduzido pelo estilista Airon Martin, talvez a melhor surpresa que o calendário de novidades da SPFW trouxe nos últimos dois anos, conseguiu juntar num mesmo espaço Sasha Meneghel, música brega, minimalismo e referências ao que há de mais autêntico no design brasileiro pouco valorizado.

Das cadeiras de plástico empilhadas na passarela, Airon tirou a estrutura arredondada do encosto para cortar as barras dos vestidos, dos tops e de algumas saias fendadas com rigor matemático.

A alfaiataria é um dos nortes criativos desse estilista fã de Lina Bo Bardi, de quem tirou as telas do mobiliário, as linhas modernas de suas criações e o apreço pelo monocromatismo pulsante. Mas, diferentemente de quem tenta usar os ídolos como raio intelectualizante de ideias capengas, ele abraça o discurso da arquiteta de olhar para o Brasil de dentro.

E, hoje, ele é feito de muita maionese temperada em sanduíche, que aparece em um dos desenhos do artista pernambucano Gabriel Azevedo, compositor da identidade visual e das ilustrações que ainda mesclam batata frita e refrigerante esmaecidos em bases lisas.

Os fuxicos próprios ao artesanato nordestino, apareciam em detalhes sutis, como numa faixa combinada a saia e, tingidos de dourado, fazendo as vezes de botões delicados.

Pedaços de tecido em formato de babadores foram costurados nas cinturas e nos ombros, adicionando a esse caldo de feijão com coentro a misoginia intrincada nessas festas, nas quais, o estilista afirma, "os homens são todos babões".

Uma plateia inebriada pelos versos do brega raiz ainda ouvia a versão de Calcinha Preta para o hino "Milk Shake", cantando envergonhada, mas visivelmente emocionada, que "hoje eu sou sua laranja, sinto o gosto da maça", enquanto via as potências têxteis nacionais entrarem em cena.

Sapatos e paletós adornados com a seda rústica de Maringá, de onde partem os casulos da grife Hermès, e o algodão orgânico colorido plantado nos assentamentos gerenciados pela marca Natural Cotton Color, no interior da Paraíba, resumiam o quão nobre a moda brasileira poderia ser se decidisse sair das paredes das galerias de arte. E, quem sabe, entrasse no ritmo do passo agarrado na cintura, sempre marcada, claro, dos botequins brasileiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos