Sonia Abrão celebra 14 anos de RedeTV! e se diz pioneira da fofoca

LEONARDO VOLPATO
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, 06.12.2016: Sonia Abrao - Abertura da exposicao Silvio Santos vem ai. (Foto: Bruno Poletti/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A apresentadora Sonia Abrão, 61, comemora nesta sexta-feira (1º) a marca de 14 anos à frente do A Tarde É Sua, programa de variedades das tardes da RedeTV!. A comunicadora afirma que seu programa é um respiro na programação, sobretudo, em meio a uma pandemia do novo coronavírus.

"É um trabalho bem-sucedido que o público acompanha esses anos todos e deve gostar daquilo que vê. Porque fazer um programa diário é mais difícil do que um semanal e é um produto que pode levar ao cansaço do telespectador. E com a gente isso nunca rolou. O público nunca se cansou de mim nesses 14 anos", diz Abrão, que começou a carreira na imprensa escrita passando por Redações do extinto Notícias Populares e de revistas como Contigo entre tantas outras.

Sonia Abrão diz que não se prende a questão da audiência do programa, exibido de segunda a sexta, das 15h às 17h. A atração costuma oscilar entre dois e quatro pontos na Grande SP (cada ponto do Kantar Ibope equivale a cerca de 73 mil domicílios) -em tempos mais áureos alcançava cinco pontos.

Com a participação dos comunicadores Felipeh Campos, Thiago Rocha e Vladimir Alves, o quadro Roda da Fofoca é um dos pontos alto do programa ao abordar a vida dos famosos e assuntos da atualidade. Sonia se orgulha de ter sido pioneira nesse tipo de conteúdo na televisão.

"A gente começou esse formato no ano 2000 quando eu estava à frente do A Casa É Sua [programa da RedeTV! exibido entre 1999 e 2006]. Falávamos com artistas do momento e já era sucesso. Colocávamos as fofocas no ar quando achávamos que precisávamos de um respiro na programação pesada, uma espécie de alienação saudável", afirma a apresentadora.

"Outros canais vieram no embalo. A chateação foi apenas porque na época começaram a usar nossas informações e não davam crédito", acrescenta Sonia, que chegou a desentender com Leão Lobo no início dos anos 2000 sobre a disputa da primazia na exibição de revistas no ar.

Recentemente o quadro Roda da Fofoca entrou no noticiário de fofocas ao exibir, ao vivo, uma bate-boca entre Felipeh Campos e Britto Jr.. Tudo por causa de coisas que teriam acontecido no passado quando ambos trabalharam juntos na Record. Sonia teve que interceder.

"É um programa ao vivo, temos de ter capacidade de improviso e jogo de cintura. No caso do Britto ele agiu de má-fé, pois falou que queria divulgar seu canal na internet e atacou nosso colega por uma informação que ele tinha dado. Não fez de maneira honesta. Mexer com minha equipe, não, eu não tolero, vou para cima", diz Sonia Abrão.

Esse não foi o único caso em que a atração da jornalista foi destaque na mídia. Em fevereiro, Campos se envolveu em uma discussão com o ex colaborador do programa, o jornalista Guilherme Beraldo, que deixou a atração após afirmar ter sofrido ameaças de Campos. A confusão começou quando um conjunto de áudios de uma reunião interna da Rede TV!, que envolvia atraso de salários, vazou.

Dirigido por Elias Abrão, irmão da apresentadora, o A Tarde É Sua já apresentou mais de 10 mil entrevistas em quase 8.000 horas no ar desde sua estreia, em 1º de maio de 2006, até os dias de hoje. Sonia se orgulha do legado deixado e da repercussão com os fãs. "É felicidade contar com tanto carinho durante todos esses anos. É você estar na rua e ser abordada como se fosse uma amiga querendo saber as novidades, tomar um cafezinho."

DO COTIDIANO PARA VARIEDADES

A área de variedades surgiu por acaso na vida de Sonia Abrão. A jornalista iniciou a carreira na produção de reportagens sobre assuntos do cotidiano na editoria geral do extinto Notícias Populares, jornal do Grupo Folha, que circulou em São Paulo entre 15 de outubro de 1963 e 20 de janeiro de 2001.

Até plantão em delegacia ela dava. Em uma certa ocasião, Abrão foi convidada a produzir uma página sobre televisão e, com isso, começou a ser chamada para participar de programas televisivos. Foi o que alimentou nela a vontade de seguir nessa área. "Nunca quis ser jornalista de gabinete, seria fácil sentar diante da TV e dar opinião sem conhecer o ambiente, sem ter intimidade. Hoje em dia tento me aperfeiçoar e ampliar meu conhecimento."

Durante uma boa parte da carreira, Sonia foi rotulada como apresentadora que mostrava muitas tragédias. Aliás, a jornalista foi contratada como comentarista do programa Aqui Agora, no SBT, na década de 1990. Ela conta que esse tipo de comentário acontecia há cinco ou seis anos atrás por causa de uma leva de episódios macabros que a atração se sentiu na obrigação de fazer a cobertura.

Em 2008, por exemplo, Sonia Abrão entrevistou, ao vivo, Lindenberg Alves, durante o sequestro e assassinato de Eloá Pimentel, em 17 outubro de 2008, em Santo André (Grande ABC). Lindemberg foi condenado a 98 anos de prisão, em 2012. "Nesses 14 anos, fizemos um programa plural e multifacetado, factual quando precisava e misturando com entretenimento. Cobrimos não só grandes catástrofes como eleições, impeachment, falamos de tudo", diz a jornalista, que também tem passagem por rádios.

"Estou preparada para fazer qualquer tipo de programa. Não tem algo que eu queira, mas eu passaria na boa para apresentadora de um telejornal. Tudo pode acontecer, é algo que eu almejo. Não estou na RedeTV! de forma planejada, aconteceu. Não brinco com o destino", acrescenta.

Mãe de Jorge Fernando Damião, que recentemente passou por uma cirurgia, a apresentadora revela que pretende lançar mais um livro após passar esse período de pandemia. Este seria o quinto livro de Sonia Abrão. Ela conta não quis se ausentar da TV mesmo tendo mais de 60 anos, idade de risco para a Covid-19 e revela que tudo tem sido feito, ao vivo, seguindo as mais rígidas normas dos órgãos de saúde.

"Prefiro ficar no estúdio mesmo, não havia necessidade de sair do ar. Queremos levar informações, promover discussões, entrar em contato com especialistas. O resultado tem sido tão positivo que as pessoas elogiam."