Coronavírus: o seu relacionamento pode não sobreviver à pandemia

Vida e Estilo International
·4 minuto de leitura
De acordo com uma especialista em relacionamentos, o coronavírus está dificultando a vida dos casais. Foto: Melissa Moseley/Universal.
De acordo com uma especialista em relacionamentos, o coronavírus está dificultando a vida dos casais. Foto: Melissa Moseley/Universal.

Apesar da abertura que muitos países já iniciaram e do aparente retorno à “normalidade” após o início da pandemia de coronavírus, o número de casos segue crescendo e a recomendação ainda é ficar em casa, se possível.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

O impacto do isolamento imposto pela COVID-19 no nosso dia a dia é enorme, e embora não nos demos conta, também afeta nossos hábitos de sono, nosso humor e nossas relações com os outros – especialmente nossos relacionamentos amorosos.

Em períodos de dificuldade, como uma pandemia, os casais tendem a se dividir em dois grupos. É o que afirma Joanne Wilson, neuropsicóloga e especialista em relacionamentos.

O primeiro grupo é o dos casais “produtivos e felizes” que “floresceram e até se fortaleceram” durante a pandemia.

“[Eles] compreendem que sempre haverá ameaças para balançar seu relacionamento, e que o amor adulto é condicional, é testado e requer manutenção contínua,” disse Joanne ao Yahoo Lifestyle.

No segundo grupo estão os casais – principalmente os que têm filhos – que viviam no que Joanne chama de “piloto automático” antes da pandemia ter chacoalhado tudo intensamente.

Ela explica: “Embora os filhos certamente não sejam o motivo que impede os pais de terem um tempo de qualidade juntos, muitos estavam em um estado de complacência, distraídos pelas suas honrosas ocupações e aderindo aos horários caóticos das crianças e do trabalho integral”.

“Quando eles brigavam, quase não se toleravam, mas se mantinham presos aos raros momentos de conexão e seguravam as pontas pelos filhos”.

Os casais em isolamento devido ao coronavírus podem ser forçados a solucionar questões não resolvidas. Foto: Getty Images.
Os casais em isolamento devido ao coronavírus podem ser forçados a solucionar questões não resolvidas. Foto: Getty Images.

A história de Jane e Max

Quando a pandemia de COVID-19 forçou o fechamento de escolas e escritórios de trabalho, ampliando a convivência dentro de casa, criou o ambiente perfeito para que as tensões não resolvidas entre os casais viessem à tona.

A seguir, Joanne oferece uma visão do relacionamento de um casal da vida real, Jane e Max*, que foi confrontado com problemas ignorados “há muitos anos” durante o isolamento.

Tanto Jane quanto Max têm cargos importantes em seus respectivos empregos, e dois filhos adolescentes no ensino médio. Ambos tiveram pais divorciados que nunca alcançaram uma posição financeira confortável, então eles estavam determinados a criar uma vida melhor para eles e para seus filhos.

Antes da COVID-19, seus dias eram cheios, já que eles habilmente programavam atividades com as crianças nos calendários um do outro. Eles dedicavam tempo às empreitadas esportivas e escolares dos filhos. À noite, exaustos, se automedicavam com um pouco demais de vinho, o que motivava discussões acusatórias sobre papéis e responsabilidades. Com o tempo, eles foram criando ressentimentos devido à falta de atenção às necessidades amorosas um do outro, mas seus compromissos os mantinham distraídos.

O tempo que Jane e Max foram forçados a passar juntos devido ao isolamento social mostrou que eles não estavam preparados para lidar com seus conflitos, cada vez maiores, pela preocupação com as finanças. Assim, o consumo de bebidas alcoólicas e as suas paredes de “proteção” se elevaram a patamares ainda mais altos.

Eles estavam machucados e irritados demais para compartilhar seus mundos internos e seu anseio por carinho, afeto e atenção. Para evitar brigar na frente dos filhos adolescentes, passaram a manter um silêncio tóxico. Nenhum dos dois estava preparado para ser vulnerável, e a esperança de Jane de que eles pudessem se reconectar se extinguiu.

Max se sentiu negligenciado no sexo, e Jane sentiu que estava cansada de se decepcionar – ambos deixaram de acreditar que seria possível voltar a contar um com o outro. Max saiu de casa.

Joanne incentiva os casais a “verificarem constantemente” se o outro está bem em períodos difíceis como a pandemia. Foto: Getty Images.
Joanne incentiva os casais a “verificarem constantemente” se o outro está bem em períodos difíceis como a pandemia. Foto: Getty Images.

Cuidar do relacionamento durante a pandemia

Joanne compartilha conselhos para garantir que o seu relacionamento sobreviva ao coronavírus – e depois dele. “Casais saudáveis abordam a adversidade salvaguardando a solidez de sua aliança, com uma visão compartilhada com base em valores que incluem o respeito e a bondade,” diz ela.

Joanne ainda encoraja os casais a focar em uma “abordagem saudável e assertiva” para lidar com os conflitos, e até a pedir conselhos a casais equilibrados nos quais eles acreditam.

Fique atento para não cair na armadilha de replicar os “hábitos pouco saudáveis dos relacionamentos e dos divórcios” das gerações anteriores.“Além disso, tenha coragem de adotar uma mentalidade aberta para buscar ajuda quando vocês não conseguirem seguir em frente, e procurar um terapeuta de confiança, para uma perspectiva imparcial, com alguém que pode fornecer ferramentas bem embasadas,” acrescenta ela.

*Os nomes foram alterados para proteger a identidade do casal.

Gillian Wolski