Siebel Newsom, esposa do governador da Califórnia, acusa Harvey Weinstein de estupro

LOS ANGELES (Reuters) - Jennifer Siebel Newsom, documentarista e esposa do governador da Califórnia, afirmou na segunda-feira que o ex-produtor de cinema Harvey Weinstein a estuprou em 2005, quando ela tentava construir uma carreira como produtora e atriz.

No banco das testemunhas no Tribunal Superior de Los Angeles, Siebel Newsom disse que conheceu Weinstein, agora com 70 anos, no Festival de Cinema de Toronto quando ela tinha 31 anos e atuava em alguns pequenos papéis no cinema e na TV.

Semanas depois, na Califórnia, Weinstein a convidou para encontrá-lo no hotel The Peninsula em Beverly Hills, onde ocorreu o estupro, afirmou Newsom.

Weinstein, o homem que se tornou o rosto das acusações do #MeToo há cinco anos, está cumprindo uma sentença de 23 anos de prisão por crimes sexuais em Nova York. Ele agora está sendo julgado em Los Angeles por 11 acusações de estupro e agressão sexual e se declarou inocente.

Siebel Newsom, que foi identificada no tribunal como Jane Doe #4, é uma das quatro mulheres cujas alegações são a base das acusações de Los Angeles contra Weinstein.

Na época da reunião com Siebel Newsom, ela não conhecia seu futuro marido, o atual governador da Califórnia, Gavin Newsom, e disse que não contou a ele o que aconteceu até que as acusações contra Weinstein se tornaram públicas.

Os advogados de defesa argumentaram que todos os encontros sexuais de Weinstein foram consensuais e que seus acusadores participaram voluntariamente de uma cultura de "sofá de elenco" para promover suas carreiras em Hollywood.

Weinstein foi condenado por má conduta sexual em Nova York em fevereiro de 2020. Ele foi extraditado de Nova York para uma prisão de Los Angeles em julho de 2021.

Em Nova York, Weinstein está apelando de sua condenação e de 23 anos de prisão. Ele pode pegar até 140 anos de prisão se for condenado por todas as acusações em Los Angeles.

(Reportagem de Lisa Richwine)