Show de Gusttavo Lima desafia Justiça e prefeitura diz que evento vai acontecer

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 04.11.2014 - O cantor Gusttavo Lima em seu estúdio em São Paulo. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 04.11.2014 - O cantor Gusttavo Lima em seu estúdio em São Paulo. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de a Justiça cancelar, liberar e depois cancelar novamente um show de Gusttavo Lima alvo de investigação em Teolândia, na Bahia, a prefeitura da cidade ironizou a decisão nas redes sociais e disse que a apresentação vai acontecer.

A organização da Festa da Banana publicou que estava "mais fácil o mundo acabar do que o Gusttavo Lima não se apresentar" e orientou o público a chegar cedo no local. O show do sertanejo estava previsto para este domingo, pago com um cachê de R$ 704 mil da prefeitura.

O evento foi cancelado primeiramente pela Justiça na última sexta-feira após um pedido do Ministério Público. No dia seguinte, foi autorizado pela Justiça, que acatou um pedido da prefeitura e, neste domingo (5), o Superior Tribunal de Justiça, o STJ, suspendeu a decisão.

A cidade de Teolândia enfrentou em dezembro duas enchentes que deixaram moradores desabrigados e destruiu estradas. À época, a prefeita Rosa Baitinga afirmou que não seria capaz de contornar a crise sozinha, pediu que os moradores enviassem um Pix para a conta da prefeitura e recebeu R$ 1,14 milhão do governo federal.

Entenda a 'CPI do sertanejo' com Gusttavo Lima Ao todo, a Festa da Banana estava orçada em R$ 2,3 milhões, valor que corresponde a 40% do que o município destinou à saúde durante todo o ano de 2021, de acordo com o Ministério Público.

"Após o período pandêmico, as chuvas do final do ano e a crise financeira sem precedentes é preciso criar políticas públicas para fazer circular riquezas", afirmou a prefeita no comunicado. "A Festa da Banana não é uma despesa pública, mas um investimento no bem-estar, na cultura e como gerador de riquezas."

"Não é possível que o mesmo município que informou necessitar de ajuda e recursos para salvaguardar a sua população de catástrofe natural anuncie, em poucos meses, a contratação de artistas com cachês incompatíveis com as dimensões, arrecadações, necessidades de primeira monta e saúde financeira do município", escreveu Rita Cavalcanti, a promotora de Justiça que ajuizou a ação.

Em nota, Gusttavo Lima afirmou que "não pactua com ilegalidades" e que não é seu papel "fiscalizar as contas públicas". Hoje, 29 cidades pelo país têm shows investigados pelo Ministério Público --a maioria deles são de eventos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos