Shaktí Power: conheça as técnicas corporais e mentais que resgatam o poder do feminino

Colaboradores Yahoo Vida e Estilo
·6 minuto de leitura
Shan Casanova - Foto: Marlonhphoto
Shan Casanova - Foto: Marlonhphoto

Por Natalia Leão (@natileao_)

“Você não é louca, você é cíclica”; “O milagre que você tanto espera se chama disciplina”; “O amor (por você mesma) supera tudo”. Essas são frases das redes sociais da professora de meditação, yoga e treinamento para mulheres Shan Casanova, ou, como ela mesma define: “shaktí power com um toque de pimenta”. Mas afinal, o que é Shakti Power e como ele pode ser uma ferramenta de empoderamento feminino? Entenda.

As raízes

“O Shaktí Power tem raízes nas filosofias mais antigas da Índia, Tantra e Sámkhya, mais precisamente Dakshinacharatantrika-Niríshwarasámkhya”, explica Shan. Na prática, são filosofias teóricas, comportamentais e práticas que têm características naturalistas, sem conotação religiosa, espiritual ou mística. “São raízes ‘desrepressoras’, sensoriais e matriarcais, ou seja, buscamos o prazer em tudo que fazemos e valorizamos muito o afeto, consigo mesma e com os outros. É daí que vem dois dos ensinamentos que dou às meninas, que é aprender a gerar conforto no desconforto e evoluir pelo prazer; e entender o grupo que elas treinam e estudam juntas, como uma das nossas maiores forças, uma inspira a outra.”

Shan Casanova. Foto: Marlonhphoto
Shan Casanova. Foto: Marlonhphoto

Na prática

A metodologia se divide em treinamentos práticos e teóricos. Nos encontros on-line, são treinadas técnicas de concentração, exercícios respiratórios, mentalizações e exercícios físicos, de força e flexibilidade. “Toda a parte técnica visa o estado de meditação.

Na parte teórica, que acontece nos finais de semana, estudamos livros que as auxiliem a aprofundar seus conhecimentos sobre seu feminino e reconhecerem sua força e capacidade interna. O legado das Deusas, da Cristina Balieiro; e Liderança Shaktí, da Nilima Bhat e Raj Sisodia, são alguns deles. Nessas leituras aprofundamos sobre os valores femininos para entendê-los como nossa maior força”, explica.

O físico

O treinamento físico consiste em técnicas de isometria e permanência que exploram a força e flexibilidade do corpo. “Através das técnicas corporais, simultaneamente realizadas com respiratórios e mentalizações específicas, trabalhamos o esforço pela autossuperação, é onde elas aprendem a gostarem de ser desafiadas. No treinamento elas estão se tirando da zona de conforto conscientemente e precisam aprender a lidar com suas emoções e pensamentos, assim quando a vida exigir no cotidiano, saberão lidar com as dificuldades com mais facilidade.” É comum que nas aulas de shaktí power as alunas passem até 10 minutos em posturas isométricas - prancha, por exemplo - por até 10 minutos. “É sobre a força da mente, não sobre a força do corpo. Todas conseguem fazer, e mostro isso a elas.”

Shan Casanova. Foto: Marlonhphoto
Shan Casanova. Foto: Marlonhphoto

A mente

É durante a execução das técnicas físicas que o treino mental e emocional acontece. O que dita conseguir fazê-las ou não, é o quanto você consegue manter a mente focada e o emocional gerenciado. Seja uma mesma técnica respiratória por 15 minutos ou uma prancha de 10 minutos. “Onde colocamos o foco, se expande. Se perdemos a consciência respiratória, a emoção toma conta. Isso reverbera para todos os âmbitos da vida”, garante Shan.

A meditação

Diferente de outras técnicas, a meditação não é apenas parte do processo, ela é a meta. “Mas para chegar nesse estado precisamos primeiro treinar as estruturas mais densas e deixá-las mais sutis. Por isso só se atinge a meditação com disciplina e constância.” Mas, Shan costuma dizer que quase ninguém sabe meditar. “Muitos afirmam que não é possível parar a mente e que meditar é apenas observar o fluxo de pensamentos e não se identificar com eles. Meditar não é só isso, tem mais chão pela frente. A meditação é composta por quatro etapas: 1. pratyahára - abstração dos sentidos; 2. dhárana - a concentração propriamente dita; 3. dhyána - o estado de intuição linear, a meditação; e 4. samádhi - o estado de hiperconsciência, mega lucidez, também conhecido como estado de iluminação.

A maioria das pessoas (no Ocidente) para na etapa 1 e 2, e afirma que isso é meditar, mas isso ainda é treinar a meditação! É por esse motivo que afirmo que quase ninguém sabe o que é”, garante.

O poder feminino

Os benefícios da meditação são inúmeros: foco, concentração, lucidez, melhor gerenciamento das emoções, mais vitalidade e energia, menos estresse... Isso tudo faz bem a qualquer pessoa. “Falando das mulheres, a meditação traz uma conexão profunda consigo mesma, aumenta a autoestima e o amor-próprio, auxilia no autoconhecimento. No caso de mulheres que são mães e trabalham muito, como é a realidade da maioria das minhas alunas, auxilia a dar conta de tudo com mais leveza, ao mesmo tempo que aprendem que não precisam dar conta de tudo. A meditação nos ensina sobre saber nossos limites e respeitá-los.” Shan explica que o poder interno de criação existe em todas (independente da vontade e/ou possibilidade de ser mãe). “A essa energia de criação damos o nome em sânscrito de shaktí. As mulheres que têm filhos, as que decidem não ter e as que não podem ter: todas podem canalizar esse poder de gerar uma vida, para a concretização de projetos e sonhos. A professora cita a frase de Samuel Johnson: “A natureza deu tanto poder à mulher que a lei, por prudência, deu-lhes pouco.” Para ela, vem daí o começo da desconexão com a força interna feminina. “São anos e anos de submissão, opressão. Vejo cada vez mais mulheres buscando essa conexão novamente e acho lindo, além de extremamente importante para sairmos do piloto automático e tomarmos as rédeas das nossas vidas. E para isso não precisamos bater de frente com ninguém, não precisamos brigar. Precisamos é entender que os valores femininos são nosso maior poder: amorosidade, gentileza, cuidado. Isso é pura força, não fraqueza. Só precisamos aprender a utilizá-los.”

As mulheres e o shakti power

A proposta do Shaktí Power é ajudar mulheres a conhecerem sua essência e se apoderarem de seu poder interno através da meditação e da conexão com outras mulheres que estão na mesma busca. A jornada interna é individual, mas a força do grupo é o que faz tudo acontecer. “Para mudarmos a visão deturpada que projetamos em cima de nós mesmas e mudar condicionamentos comportamentais que nos afastam de nós mesmas, precisamos de estímulo diário! Precisamos buscar quem nos auxilie nesse processo. Mas antes disso, precisamos estar dispostas a dar esse mergulho interno. O Shaktí Power é sobre ter coragem de conhecer uma mulher que provavelmente você ainda não conhece, é um processo profundo de se apaixonar por si mesma.”

5 dicas de Shan para aumentar seu poder pessoal

1. Crie momentos de solitude, esteja pelo menos alguns instantes do dia apenas com sua própria companhia, sem influências externas, sem exercer nenhum papel.

2. Busque referências de mulheres fortes e que você admira, se inspire nelas e busque proximidade, é pelo exemplo diário que mudamos internamente, somos animais de grupos.

3. Crie mantras pessoais que digam aquilo que você está trabalhando para ser, faça frases no positivo e como se já fosse uma realidade, as leia todos os dias para que seu subconsciente assimile.

4. Exercite a auto responsabilidade, sem culpa. Vitimismo só vai te atrapalhar e te jogar pra baixo.

5. Por fim, e não menos importante: medite! Treinar meditação além de deixar a vida mais leve, também vai acelerar seu processo evolutivo e sua assimilação das mudanças que precisam ser feitas. Bóra brilhar!