Sexo sem penetração é possível e garante muito prazer ao casal

Foto: Getty Images

Por: Roseane Aguirra, para o Yahoo

Uma pesquisa realizada com 1.370 mulheres de todo o Brasil mostra que para 60%, o prazer sexual está muito antes da penetração. Realizada pela Prazerela, entre junho e agosto de 2018, o estudo ainda mostra que 74% sempre tem orgasmos na masturbação, mas apenas 17% sentem prazer na penetração. Ou seja, para grande parte destas mulheres, a melhor parte do sexo está nas preliminares. Mas, ao contrário do que muita gente pensa, o sexo pode acontecer sim sem a penetração de fato.

“Basicamente, sexo é uma interação íntima com o outro. E a hora que você está lá entre quatro paredes, trocando olhares e carícias, isso é sexo”, diz Mariana Stock, fundadora da Prazerela, casa que tem como missão apoiar as mulheres a terem autonomia por meio do prazer, oferecendo cursos e atendimentos.

Onde estão os ingredientes?

Foto: Getty Images

Para ter um sexo mais feliz, antes de tudo é preciso conhecer o próprio corpo e saber o que te dá prazer, explicam os especialistas.

“A questão da mulher não ficar à vontade com o próprio corpo, de se tocar, é porque ela é condicionada a isso. Desde pequenininha, ela recebe um estímulo negativo, enquanto o menino recebe um estímulo positivo”, comenta a psicóloga especializada em sexualidade humana Sandra Lima Vasquez.

Leia mais: Terapeuta sexual revela as 5 perguntas que ouve com mais frequência

“Faz parte se apoderar de seu corpo e se tocar. Ela pode, por exemplo, ir para o banho e se ensaboar devagarzinho, assim ela vai percebendo que lugares são mais gostosos de se tocar”.

“Se a gente fizer uma comparação com a cozinha, por exemplo, para você cozinhar bem, você precisa saber onde estão os ingredientes, os apetrechos”, brinca. “No sexo também é assim, você precisa prestar atenção no corpo, no que gosta, prestar atenção nas suas fantasias sexuais”.

“Língua mole ou dura”?

Foto: Getty Images

Depois de descobrir mais sobre o próprio prazer, o ideal é trocar informações com o parceiro, de preferência antes de momentos íntimos. Se não der tempo de conversar, segundo Sandra, a mulher pode ir orientando o parceiro. “Pode ir dizendo ‘fica mais um pouquinho aí, adoro esse beijo no pescoço, não para’”.

Para combater a vergonha, a dica é elogiar algo que o parceiro fez bem e depois fazer um pedido.

“Não precisa pesar na hora de falar, você pode fazer um elogio e depois fazer um acréscimo”, brinca, “pois mesmo o sexo oral, os homens têm dificuldade de saber como faz.” Entre as sugestões, as mulheres podem dizer para o parceiro deixar a língua mais suave ou mais dura, ou acariciar ao redor do ponto de excitação e não ir diretamente a ele.

“Claro que se chegar uma hora que você já falou uma, duas, três e a pessoa não ouve, você precisa ser mais enfática. É bom dizer ‘eu não fiz para você? Então faz para mim, eu também quero’”.

Ter um pênis não é tudo!

Foto: Getty Images

Buscar ter sexo sem penetração pode ser uma ótima pedida para descobrir ou redescobrir o prazer.

É um jeito de explorar os sentidos, as fantasias e descobrir outras coisas legais do sexo. “O importante é que seja prazeroso e consensual”, diz Sandra.

Segundo Mariana, os homens também sofrem com a dinâmica falocêntrica, ou seja, que considera o pênis o centro do sexo. “É uma epidemia de homem com ejaculação precoce, com dificuldade de ereção”, comenta.

“Na hora que o homem também descobre essa troca de olhares, esse beijo de língua… Todo mundo ganha. Quer sexo mais íntimo que duas línguas, uma penetrando a boca da outra? Os homens precisam entender o que eles ganham nessa história, senão eles ficam resistentes”.

Além da masturbação

Foto: Getty Images

Segundo a psicóloga especializada em sexualidade humana Sandra Lima Vasquez, o sexo sem penetração vai muito além da masturbação mútua. “Temos que fugir daquela história que sexo sem penetração é só estimular os genitais um do outro. A gente tem que falar em explorar os sentidos. Quais são? Tato, paladar, olfato, o olhar… Todos os nossos sentidos podem entrar. Você pode olhar a outra pessoa, cheirar, lamber… enfim, explorar.”

A exploração dos sentidos pode ser considerada uma preliminar ou não. “Tanto pode ser uma preliminar, como você pode encarar essa troca, essa exploração de sentidos, como o melhor da história,” explica Sandra. “Tem pessoas que podem ter orgasmo só com a estimulação do mamilo, ou com outros tipos de carícias”.

Prazer pelo corpo

Foto: Getty Images

Tuy Potasso, dona do canal “Sensualise Moi” no YouTube, lançado com seu marido Biel Vaz em 2014, dá várias dicas para o público explorar mais do sexo. Segundo ela, o curso de tantra foi um recurso que mudou para sempre seu jeito de ter orgasmo.

“Quando a gente fez aula de tantra, a professora fez a gente sentir o corpo inteiro.”

E o orgasmo aumenta muito quando você está sentindo o corpo todo. Meu namorado não sentia prazer pelo corpo, e hoje onde ele mais sente prazer é no braço

Entre suas técnicas, ela cita a respiração rápida para chegar mais facilmente ao orgasmo e uma massagem com a ponta dos dedos, pelo corpo todo. “Pois isso faz a energia elétrica que a gente tem no corpo ir se ativando”, explica Tuy.

Através do canal e de um grupo fechado de Whatsapp, Tuy também ensina posições que as mulheres podem fazer para se tocarem, como de lado ou de bruços, se não quiserem “dar muito na cara”.

“Ela pode até ensinar o namorado ou marido. Existe esse tabu que mulher não pode se tocar, que o orgasmo dela depende do homem, não, o orgasmo depende dela mesma.”

Para Sandra, a massagem sensual é um bom exercício para um casal que quer descobrir outros caminhos no sexo. Segundo ela, basta que os dois fiquem sem roupa, em um ambiente privado e tranquilo. Um dos dois começa a carícia no outro, que está deitado de bruços. A massagem vai pelo corpo todo, desde o dedão do pé. “A pessoa que está recebendo diz o que está gostando, onde está mais suave, onde quer mais intensidade”, explica.

Em seguida, a pessoa se vira e o par começa de novo, dessa vez de frente, desde baixo e evitando os genitais, pois o objetivo é explorar as sensações do corpo. Quando terminar, o casal inverte. “Depois a pessoa que está fazendo a massagem precisa guardar esses lugares que o outro gosta mais.”

Além das caricias, a terapeuta cita alternativas como o sexo virtual, os brinquedos eróticos e mensagens picantes que o casal pode ir mandando ao longo do dia, para ativar suas fantasias.